CINEMA | RICHARD JEWELL

01/02/2020

 
Quando este filme saiu eu não fiquei com muita curiosidade para o ver, mas mais uma vez como está nomeado aos Oscars lá fui eu ver o filme. E apesar de não ter adorado acabei por gostar bastante.

"'Há uma bomba no Parque Centennial. Têm trinta minutos.' Richard Jewell apresenta-se pela primeira vez ao mundo como o segurança que localiza a bomba e sal inúmeras vidas no atentado de 1996, durante os Jogos Olímpicos em Atlanta. Em poucos dias, no entanto, Jewell torna-se o suspeito número um do FBI. Difamado pela imprensa e pelo público, a sua vida depressa se transforma num pesadelo. Quando contrata o advogado Watson Bryant, Jewell expressa convictamente a sua inocência. Contudo, Bryant vê-se em desvantagem para limpar e proteger o nome do seu cliente, enquanto tenta combater os poderes combinados do FBI, dos investigadores estaduais da Georgia e do departamento de polícia de Atlanta."
Este é mais um filme de um herói que acabou por passar a ser o vilão da história apenas porque a polícia precisa sempre de atribuir as culpas a alguém para que a opinião pública e governamental não lhes caia em cima. Depois de salvar muitas pessoas que se encontravam num parque para concertos dos Jogos Olímpicos de Atlanta de 1996, Richard é acusado de ser ele a pessoa a por a bomba nas imediações e de ter dado o alerta para apenas ficar como o herói. Quando tudo isto acontece ele fica mesmo como o herói, só que depois um director de uma faculdade liga para o FBI a informar que o Richard talvez não seja a pessoa mais pacifica do mundo tendo exercido autoridade exagerada no campus universitário como se de uma autoridade policiail se tratasse quando ele era apenas um segurança. É aí que ele é acusado e investigado e é aí também que a história fica triste e divertida ao mesmo tempo. Richard era uma pessoa com dificuldades de comunicação o que chamaríamos um "totó", alguém muito ingénuo e que ajudaria a polícia mesmo que isso o prejudicasse, mas ao mesmo tempo tudo isto se torna divertido quando ele é mais inteligente do que a polícia toda e tem os momentos mais engraçados de sempre, porque apesar de inocente ele tem sempre alguma coisa contra ele por mais inocente que isso seja. 
Se ainda não sabem ficam a saber que este é um caso baseado em factos reais. O Richard e esta história aconteceram mesmo, e digo no passado porque ele infelizmente já morreu. Mas esta triste história aconteceu e continua a acontecer vezes e vezes sem conta quando a polícia acusa inocentes e por vezes até os condena porque quer e precisa de apresentar resultados o mais rapidamente possível aos seus superiores e até à opinião pública ávida de condenações. É sem dúvida uma história que não devemos esquecer, um filme que recomendo mas que não consegui adorar.

Join the conversation!

© Diário da Chris. Design by FCD.