CINEMA | VARIAÇÕES, A HERDADE

21/01/2020

Hoje falo-vos de dois filmes portugueses que estrearam este ano nas nossas salas de cinema e que eu não perdi. Estou a gostar cada vez mais desta nova vaga de cinema português, mais pensado e estruturado, com mais sumo e cada vez mais com capacidade de levar o nosso cinema além fronteiras. Falo-vos dos filmes "Variações" e "A Herdade".

"A vida de António Ribeiro, barbeiro e figura da movida lisboeta no final dos anos 70, perseguindo o sonho de se tornar cantor e compositor, apesar de não saber uma nota de música. O filme conta o seu processo de transformação na personagem artística que foi António Variações, compositor, cantor excêntrico e popular, que viu a carreira fulgurante interrompida pela morte, em 1984."

 António Variações foi sempre um cantor que esteve presente na minha vida, fosse pelas suas músicas que eu adoro e sempre fui ouvindo quer pelos relatos que os meus pais me faziam da sua figura na sua juventude e até por a minha mãe ter tido o privilégio de o ter ouvido ao vivo. E por isso quando soube que este filme ia estrear no verão decidi que o queria ver em família e assim aconteceu. Para meu espanto ninguém adormeceu no cinema. Todos gostaram do filme apesar de lhe apontarem tal como eu uma pequena falha. O filme retrata a vida do Variações mais ou menos de 1977 a 1981 e mostra-nos o músico enquanto cabeleireiro mas sempre com uma vontade enorme de singrar na música. Quando um locutor de rádio o ouve a cantar num bar de Amesterdão a vida de Variações muda por completo. O filme gira muito em volta do começo da sua carreira, do seu processo criativo sempre muito solitário, da sua excentricidade, da sua forma de ser bem à frente da sociedade. Mostra-nos um pouco de um artista que tanta diferença fez no nosso país e que por isso mesmo ainda hoje é objecto de canto por outros tantos artistas. O filme também é importante porque mostra muitas coisas da época tal como recria outras tantas que ainda hoje perduram como a abertura da discoteca Trumps e a importância social da mesma à época. Foi um filme que eu gostei bastante, não só pela história que conta, pela personalidade que enaltece, mas porque acho que é um filme muito bem produzido e com muito bom gosto. A recriação dos cenários, o guarda-roupa, os eventos sociais tudo fez sentido para que o filme ainda fizesse mais sentido. A única crítica que talvez terei ao filme é o excesso de momentos em que mostram o Variações no seu momento criativo. Pelo que o filme mostra o processo criativo dele seria a cantar a capela em casa para um gravador de forma solitária as músicas que ele criava na sua mente, muitas delas apenas editadas após a sua morte. O problema maior é que esses momentos a meu ver são demasiados ao longo de todo o filme e torna-o algo lento e maçador nesses momentos. Gostava que tivessem mostrado mais do lado do palco que ele teve. Por último enaltecer a interpretação do Sérgio Praia que foi simplesmente fantástica e só demonstra que temos talento extraordinário em Portugal.


"A saga de uma família, proprietária de um dos maiores latifúndios da Europa, na margem sul do rio Tejo. Uma viagem aos segredos mais profundos desta herdade, num retrato da vida histórica, política, social e financeira de Portugal, dos anos 40, pela revolução de 25 de Abril de 1974 e até aos dias de hoje."

Quando soube deste filme pensei que seria mais um na saga de filmes nacionais a chegar ao cinema. Depois comecei a ouvir que possivelmente poderia ser o nosso indicado para a corrida aos Oscars de Melhor Filme Estrangeiro, e comecei a pensar que se calhar este filme seria mais do que apenas mais um filme. Mas depois, sentada na sala de cinema percebi que este não era apenas só mais um filme. O filme retrata a vida de uma das famílias mais importantes de Portugal durante a ditadura de Salazar. Da sua importância social enquanto empregadora de muitas pessoas numa das piores épocas de Portugal até à sua importância social ao se mexerem  na mais alta sociedade de Portugal. Este filme retrata uma família cheia de segredos que tenta fazer mais por um país que se encontra mergulhado numa ditadura. Mas esta herdade esconde muitos outros segredos que só os anos os irão revelar e que são o espelho e o retrato de muitas casas portuguesas, e não só daquela altura mas também de muitas actuais. Para além de nos mostrar a sociedade da altura com recurso a algumas personagens chave como o padre que tanto aparece ao longo do filme. Em suma foi um filme que eu gostei muito, tem uma produção e realização fantásticos. A fotografia do filme é só maravilhosa, das melhores que já vi em filmes nacionais. Filmes como este só mostram que em Portugal existe muito talento e que ainda há muita coisa a fazer. Tenho pena que este nosso filme não esteja na corrida aos Oscars porque acho que mais pessoas deveriam ter acesso a um filme tão bom. 

E vocês? Gostam de cinema português?

Join the conversation!

  1. Confesso que o Variações foi o único filme português que vi no cinema, até ao momento. Não gostei tanto como pensava que gostaria. Por outro lado, tenho de lhe admitir a qualidade, especialmente da actuação dos actores - por exemplo, fiquei imensamente impressionada com a química mostrada quando o Variações e o amigo se reencontram pela primeira vez - foi um momento inesquecível de tão bem feito.
    Não sei porquê, associo muito o cinema português a um cinema mais parado, mais virado para a reflexão - o que acaba por não ser tanto o tipo de cinema que aprecio. Estarei errada?

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Sim concordo acho que o filme acabou por não ir de encontro Às expectativas, mas é como dizes é de uma qualidade impecável.
      E sim concordo com o que dizes, o cinema português tinha muito o hábito de ser muito filosófico ou muito brejeiro. Estou a gostar que andem a sair desses registos.

      Eliminar
  2. Esperemos que o cinema português em 2020 também traga óptimos filmes, tal como fez em 2019 :)
    Interpretações ao nível das internacionais <3

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Mesmo.. quero muito que o cinema português continue a evoluir..

      Eliminar

© Diário da Chris. Design by FCD.