TV SHOWS | ELITE

10/10/2019

Séries da Netflix são quase sempre sinónimo de séries muito bem produzidas. E Elite é isso mesmo. Mais do que uma história é sem sombra de dúvidas uma série muito bem produzida. É uma série da Netflix espanhola que surgiu um pouco depois de "La Casa de Papel" e que por isso tem alguns actores dessa série. Sendo a série alvo de reflexão no meu post de hoje.

Elite conta-nos a história de três jovens estudantes pobres que ganham uma bolsa num colégio frequentado por jovens da alta sociedade. À partida, a entrada destes novos estudantes não vai ser bem vista pelos outros alunos, mas à medida que a história vai avançando muitas peripécias vão acontecer e inclusive um crime vai ocorrer naquele colégio que vai abalar todos aqueles alunos. 
 
Quando comecei a ver Elite confesso que não estava à espera de nada do outro mundo. Ia mesmo com as expectativas muito baixas porque achava que iria ser uma série sobre meninos ricos num colégio bem ao estilo de outras séries por aí. Mas à medida que fui avançando nos seus episódios fui percebendo que esta era uma série muito para além disso. Era uma série com algum sumo e muito bem produzida. Passa-se num colégio? Sim. Tem meninos ricos e mimados? Sim. Mas também tem uma colectânea de outros temas e assuntos que vão sendo abordados ao longo da série e que a vão tornando diferente. Temos uma família muçulmana que acaba por trazer à tona temas como a discriminação, a diferença de tratamento entre o homem e a mulher, a homossexualidade, a descoberta do amor e dos prazeres carnais. Temos temas como a poligamia, a bissexualidade, a SIDA, as drogas. Tudo temas abordados de uma forma elitista, pois estamos a falar de protagonistas que pertencem a uma outra classe, com outras oportunidades e outra forma de ver o mundo, que de uma forma ou de outra vão também influenciar os alunos mais pobres e que nunca tiveram esse contacto com a vida mais luxuosa.

Ao longo da primeira temporada vamos também perceber que aconteceu um crime e vamos acompanhar as investigações, os interrogatórios e o clima de tensão que vai crescendo entre os nossos protagonistas. Gostei que tivessem introduzido esse tópico à história pois adensa o clima de tensão e as próprias histórias de cada um dos personagens. Deixa de ser apenas uma história tonta e superficial para passar a ser uma história com mais intensidade. Já na segunda temporada e após a suposta resolução do dilema da primeira temporada a trama surge-nos com um novo acontecimento que vai levar os nossos protagonistas a viveram novamente um clima de tensão ao longo da temporada ao mesmo tempo que tentam lidar mais uma vez com os seus próprios dilemas.

Confesso que estava à espera de algo mais da segunda temporada, achei um pouco mais do mesmo e achei o enredo previsível, aliás aquele final para mim não teve nada de espetacular tendo eu logo percebido o que iria acontecer. Desta segunda temporada confesso que o que mais gostei foi da personagem Valerio que é para mim a personagem mais engraçada e aquele que tem um crescimento maior na série.

No fundo é uma série que estou a gostar de acompanhar, que me surpreendeu mais na sua primeira temporada, mas que me tem deixado curiosa com aquilo que ainda poderá surgir. É uma série muito bem produzida e que vale a pena dar uma oportunidade.

E vocês? Acompanham a série?

Join the conversation!

© Diário da Chris. Design by FCD.