CINEMA | VARIAÇÕES, A HERDADE

21/01/2020

Hoje falo-vos de dois filmes portugueses que estrearam este ano nas nossas salas de cinema e que eu não perdi. Estou a gostar cada vez mais desta nova vaga de cinema português, mais pensado e estruturado, com mais sumo e cada vez mais com capacidade de levar o nosso cinema além fronteiras. Falo-vos dos filmes "Variações" e "A Herdade".

"A vida de António Ribeiro, barbeiro e figura da movida lisboeta no final dos anos 70, perseguindo o sonho de se tornar cantor e compositor, apesar de não saber uma nota de música. O filme conta o seu processo de transformação na personagem artística que foi António Variações, compositor, cantor excêntrico e popular, que viu a carreira fulgurante interrompida pela morte, em 1984."

 António Variações foi sempre um cantor que esteve presente na minha vida, fosse pelas suas músicas que eu adoro e sempre fui ouvindo quer pelos relatos que os meus pais me faziam da sua figura na sua juventude e até por a minha mãe ter tido o privilégio de o ter ouvido ao vivo. E por isso quando soube que este filme ia estrear no verão decidi que o queria ver em família e assim aconteceu. Para meu espanto ninguém adormeceu no cinema. Todos gostaram do filme apesar de lhe apontarem tal como eu uma pequena falha. O filme retrata a vida do Variações mais ou menos de 1977 a 1981 e mostra-nos o músico enquanto cabeleireiro mas sempre com uma vontade enorme de singrar na música. Quando um locutor de rádio o ouve a cantar num bar de Amesterdão a vida de Variações muda por completo. O filme gira muito em volta do começo da sua carreira, do seu processo criativo sempre muito solitário, da sua excentricidade, da sua forma de ser bem à frente da sociedade. Mostra-nos um pouco de um artista que tanta diferença fez no nosso país e que por isso mesmo ainda hoje é objecto de canto por outros tantos artistas. O filme também é importante porque mostra muitas coisas da época tal como recria outras tantas que ainda hoje perduram como a abertura da discoteca Trumps e a importância social da mesma à época. Foi um filme que eu gostei bastante, não só pela história que conta, pela personalidade que enaltece, mas porque acho que é um filme muito bem produzido e com muito bom gosto. A recriação dos cenários, o guarda-roupa, os eventos sociais tudo fez sentido para que o filme ainda fizesse mais sentido. A única crítica que talvez terei ao filme é o excesso de momentos em que mostram o Variações no seu momento criativo. Pelo que o filme mostra o processo criativo dele seria a cantar a capela em casa para um gravador de forma solitária as músicas que ele criava na sua mente, muitas delas apenas editadas após a sua morte. O problema maior é que esses momentos a meu ver são demasiados ao longo de todo o filme e torna-o algo lento e maçador nesses momentos. Gostava que tivessem mostrado mais do lado do palco que ele teve. Por último enaltecer a interpretação do Sérgio Praia que foi simplesmente fantástica e só demonstra que temos talento extraordinário em Portugal.


"A saga de uma família, proprietária de um dos maiores latifúndios da Europa, na margem sul do rio Tejo. Uma viagem aos segredos mais profundos desta herdade, num retrato da vida histórica, política, social e financeira de Portugal, dos anos 40, pela revolução de 25 de Abril de 1974 e até aos dias de hoje."

Quando soube deste filme pensei que seria mais um na saga de filmes nacionais a chegar ao cinema. Depois comecei a ouvir que possivelmente poderia ser o nosso indicado para a corrida aos Oscars de Melhor Filme Estrangeiro, e comecei a pensar que se calhar este filme seria mais do que apenas mais um filme. Mas depois, sentada na sala de cinema percebi que este não era apenas só mais um filme. O filme retrata a vida de uma das famílias mais importantes de Portugal durante a ditadura de Salazar. Da sua importância social enquanto empregadora de muitas pessoas numa das piores épocas de Portugal até à sua importância social ao se mexerem  na mais alta sociedade de Portugal. Este filme retrata uma família cheia de segredos que tenta fazer mais por um país que se encontra mergulhado numa ditadura. Mas esta herdade esconde muitos outros segredos que só os anos os irão revelar e que são o espelho e o retrato de muitas casas portuguesas, e não só daquela altura mas também de muitas actuais. Para além de nos mostrar a sociedade da altura com recurso a algumas personagens chave como o padre que tanto aparece ao longo do filme. Em suma foi um filme que eu gostei muito, tem uma produção e realização fantásticos. A fotografia do filme é só maravilhosa, das melhores que já vi em filmes nacionais. Filmes como este só mostram que em Portugal existe muito talento e que ainda há muita coisa a fazer. Tenho pena que este nosso filme não esteja na corrida aos Oscars porque acho que mais pessoas deveriam ter acesso a um filme tão bom. 

E vocês? Gostam de cinema português?

O MEU 2019

12/01/2020

Escrevo este post já em 2020 a uma hora tardia de uma noite bem fria, mas com a certeza de que hoje consigo olhar para tudo o que foi o meu ano de 2019 e sei contar-vos um pouco do que ele também foi.

2019 foi um ano em que consegui viajar ainda bastante dentro do nosso país. Visitei o Alentejo por duas vezes. Aliás, foi no ano passado a primeira vez que visitei essa região e devo vos dizer que fiquei agradavelmente surpreendida porque gostei imenso e quero cada vez mais explorar essa área de Portugal. Adorei imenso os campos de perder de vista, as cores do Alentejo, a arquitectura e a costa Vicentina. Com certeza passeios a repetir. O ano passado visitei também o Porto de forma mais aprofundada e pude comprovar mais uma vez que a Invicta é uma cidade espectacular, que eu adoro cada vez mais a cada visita que faço.

2019 foi um ano em que aproveitei para fotografar muito. Alimentei muito o meu instagram e nem tanto aqui o blog ou o canal do youtube. Ocupei-me mais com a minha vida social, com os passeios que fiz em família ou com amigos e soube mesmo bem. Cresce cada vez mais em mim o amor pela fotografia, mas também pelas viagens e acima de tudo pela partilha que faço delas. 

Em 2019 voltei a olhar para mim e a descobrir em mim outra pessoa. Aprender é o verbo que levo, aliás, de 2019. Aprender a gostar mais de mim, de me exercitar, de me alimentar melhor, de me gostar de ver ao espelho. Até mais ou menos o meio do meu ano, vivi uma situação que me deixou muito desconfortável, me fez questionar a mim enquanto pessoa, enquanto profissional, a minha personalidade, os meus valores. Ultrapassar isso levou tempo. Fez com que eu me questionasse vezes e vezes sem conta e isso fez com que me afastasse de pessoas, projectos e até por vezes de ter vontade de fazer aquilo que mais gosto. Ter pessoas ao meu lado que me reconhecem valor foi sem dúvida o mais importante e o que me fez olhar para a situação e perceber que há pessoas pelas quais não vale a pena lutar, que elas nunca serão iguais às nossas perspectivas e que por mais que o dia pareça negro haverá sempre um novo dia pronto para mostrar que há sempre luz ao fundo do túnel. 

Valeu-me em 2019 também o meu amor por fotografar os livros e por alimentar um instagram lindo sobre livros e que é um complemento tão bom aqui ao blog e ao canal do youtube. É bom pertencer a uma comunidade tão boa que promove uma das melhores actividades que é a leitura.

Em 2019 aprendi muito. Saio deste ano em paz e com serenidade para enfrentar mais um ano e com certeza as suas provações. Saio cheia de aprendizagens pronta a colocar em prática e só espero que 2020 nos possa ensinar outras tantas lições.


E a vocês? O que vos ensinou 2019?

CINEMA | JOKER

07/12/2019

Se houve filme que este ano teve sucesso nas salas de cinema foi sem sombra de dúvidas o Joker. Não sou fã de filmes de super heróis mas desde que soube que este filme ia ser lançado que fiquei muito curiosa e desejosa de o ver. E digo-vos, é com certeza uma dos meus filmes do ano.

Arthur Fleck é um homem doente mental que habita com a sua mãe em Gotham City, uma espécie de Nova Iorque mas mais escura e suja. Aqui ele vive e trabalha como palhaço. Mas de repente pequenas coisas começam a mudar e Arthur começa a ter uma outra perspectiva da vida e daquilo que ele vai aprendendo dela. É aí que a história muda e começa a ficar bem negra.

Não conhecia a história do Joker, nunca vi o Batman e por isso a ideia que tinha desta personagem era de alguém louco e pervertido. Quando escolheram o Joaquim Phoenix para o interpretar eu fiquei logo muito curiosa porque gosto dele enquanto actor e por isso fiquei curiosa com a forma como ele o iria interpretar. Quando o filme começou o mesmo chamou-me logo à atenção pela imagem, fotografia, banda sonora. De repente estava a ver um filme com uma personagem louca mas com uma história dramática por trás, dura e sensível ao mesmo tempo. A viver numa sociedade suja, sem recursos para tratar a doença mental, sem paciência para pessoas como ele e no fundo uma grande alusao aos dias de hoje. Nessa sociedade ele vai tentando viver segundo as suas regras, mas quando as mesmas são demasiadas e demasiadamente hipócritas ele próprio começa a mudar, a quebrar muitas delas e a viver segundo as suas regras.

Arthur tem um pouco de cada um de nós. Aliás, o próprio Joaquim Phoenix disse que queria interpretar uma personagem com várias doenças mentais para que nenhum médico o pudesse diagnosticar apenas com uma doença. E se pensarmos bem cada um de nós lida ou já lidou com uma doença mental, quanto mais não seja, o stress do dia-a-dia. Todos nós temos um quê de loucos dentro de nós e todos nós já por diversas vezes pensamos em cometer alguma loucura em favor da nossa sanidade mental. Ver isso espelhado num ecrã de cinema não é fácil, não é compreensível por todos e torna um filme de super heróis bem mais do que apenas um filme de acção.

Quando me sentei naquela cadeira de cinema e durante o tempo do filme foram diversos os momentos em que me senti mal pelo filme que estava a ver. Não no sentido de não estar a gostar do mesmo, mas porque ele mexe com muito mais coisas do que eu estava à espera. De repente senti-me conectada demais com o filme e outras vezes senti repulsa. Sentimentos antagónicos que tornam o filme bem mais real e bem mais duro do que à partida todos estaríamos à espera. Acredito que mais de metade do público que foi ver este filme não o vai perceber, não vai entender toda a extensão do mesmo e vai pensar que o filme poderia ter tido muito mais acção, ou seja, ter sido bem mais de super heróis, quando o mesmo é tão mas tão profundo. Eu própria quero muito voltar a ver este filme, em casa com mais calma, por que sinto que também eu não percebi todo o alcance e profundidade que o mesmo tem.

O filme é só incrível em termos técnicos, desde a brilhante interpretação do Joaquim Phoenix até ao guarda-roupa, à maquilhagem, à fotografia, à banda sonora, tudo torna este filme especial, diferente e que merece bem o hype que teve.

Um filme que sem sombra de dúvidas recomendo.

WISHLIST | NATAL 2019

05/12/2019

O Natal é sempre uma época fantástica. Aliás a seguir aos meus anos é a época que eu mais gosto. E claro que o Natal não é o consumismo, mas não deixa de ser bom receber um presentinho ou outro. Por isso, hoje mostro-vos a minha wishlist para este ano.

1 | 2 | 3 | 4 | 5 | 6 | 7

1 - Black Opium da YSL: Todos os anos gosto de ter um perfumezinho mais caro mas também mais duradouro. Este da YSL foi um perfume que me ficou na memória desde a primeira vez que o cheirei por ser assim um aroma bem forte e característico. É um dos meus maiores desejos este ano.

2 - Paletas I Heart Revolution: Maquilhagem nunca é demais. Gosto desta marca por ter uma óptima qualidade preço e de todas as suas paletas estas duas são aquelas que me chamam mais à atenção por terem tons que eu gosto e uso muito.

3 - "O Menu da Semana" da Vânia Ribeiro: Como tenho tentado mudar a minha alimentação tenho também andado mais atrás de receitas que incluam mais alimentos saudáveis. Um dos meus pontos fracos são as marmitas que levo para o trabalho e por isso acho que este livro é a minha cara e aquilo qye também mais preciso no momento.

4 - Garrafa de Agua Brita: Uma das coisas que tenho tentado mudar na minha vida é a redução na compra de garrafas de água de plástico, não só por achar chato estar sempre a pagar água como um desperdício para o ambiente. Tenho tentado usar mais vezes garrafas de água reutilizáveis, mas tenho um problema, não gosto de água canalizada. A solução de uma garrafa com um filtro parece-me muito bem, mas o mercado não tem muitas alternativas e esta é uma das mais baratas do mercado e está na minha lista de próximas aquisições. Alguma sugestão neste quesito desse lado?

5 - Leitor de DVD: Já vos disse que adoro cinema e DVD's? Pois, o meu amor só tem aumentado, tal como a colecção de DVD's. Quero muito ter um leitor para os ver, mas o mercado parece que já se esqueceu dos velhos amantes do físico DVD. E por isso quero muito ver se o Pai Natal me deixa no sapatinho.

6 - Pulseira Pandora colecção Harry Potter: Digam-me lá que esta colecção não está a coisa mais bonita de sempre. Nunca tive nada da Pandora mas estou a adorar a pulseira simples com a Snitch. 

7 - DVD "Rocketman": Mais um DVD para a minha colecção nunca é demais, principalmente quando é do meu possível filme favorito do ano. Quer muito ter este DVD na minha colecção.

E vocês? Já fizeram a vossa lista de desejos ao Pai Natal?

© Diário da Chris. Design by FCD.