OH HEY IT'S A CLASSIC | WITNESS FOR THE PROSECUTION

28/09/2020

Setembro foi mês de ver "Witness for the Prosecution", mais um filme para este meu projecto dos clássicos. Escolhi este filme porque me pareceu um bom filme de tribunais e como o mesmo estava muito bem classificado decidi colocá-lo na minha lista e ainda bem que o fiz, porque o filme é fantástico.

O filme conta-nos a história de um advogado com alguma idade e com uma saúde bem frágil, mas com uma óptima reputação na área jurídica, que após um ataque cardíaco regressa ao escritório com a perspectiva de um fim de carreira mais descansado. Mas no primeiro dia de regresso ele é confrontado com um caso irrecusável, um homem acusado de homicídio que após uma primeira análise do seu monóculo decide que ele é inocente, mas a história, apesar de parecer sólida pode esconder outras verdades.

Este filme de 1957 é baseado num conto de Agatha Christie que posteriormente deu origem a uma peça de teatro que eu confesso só soube do mesmo até ao visionamento do filme. Não li o conto, mas até fiquei curiosa em o fazer uma vez que gostei muito do filme. E como já perceberam eu gostei bastante deste filme. Ao início pode até parecer algo simples e que não ficará na memória, mas rapidamente nós estamos embrenhados neste filme, neste mistério e acima de tudo com as personagens e com os actores que lhe dão vida. Charles Laughton interpreta o advogado que apesar da sua saúde frágil ainda se interessa pelos casos mais interessantes e que tudo faz para os conseguir vencer. Com ele o filme vai ter dos momentos mais tensos em tribunal, como também dos momentos mais divertidos com a sua enfermeira. Quem viu o filme vai-se lembrar da icónica cena com o elevador que tanto me fez rir.

Tyrone Power interpreta o arguido e acusado do homicídio. Um playboy que sem ter emprego fixo anda a tentar vender um aparelho para bater claras de ovos. Um dia conhece uma senhora numa loja de chapéus e rapidamente se enceta uma amizade que culminará na sua morte. Um galã que entrega muito bem o seu papel de inocente mas que sabe muito bem esconder um grande segredo. O que mais gostei desta personagem foram os flashbacks de que ela vem acompanhada. E bem assim acompanhado desta personagem vem a sua companheira e peça chave deste filme, Marlene Dietrich interpreta para mim a personagem mais brilhante deste filme, que apesar de ser mulher do arguido acaba por ir a tribunal como testemunha de acusação, acontecimento que dá nome ao filme. Situação caricata que dá ao filme um toque mais dramático e algo inquietante, mas que dá também ao filme uma outra energia. 

Este filme tem lugar em Inglaterra e ver o sistema jurídico da época e o de agora, tenho-vos a dizer que me parece que não mudou muito. Pelo menos o sistema de sala de audiências, e também das vestes dos intervenientes jurídicos, e isso é muito interessante de ver. Tal como todo o filme que nos apresenta um mistério à Agatha Christie, sem o parecer ao início. Quando a cena final apareceu no meu ecrã eu confesso que também fiquei de queixo caído porque também eu não antevi este desfecho. É um filme com um ritmo bem agradável que se vai pautando com cenas de tribunal e também as cenas da vida passada dos vários personagens. Por isso é um filme que eu só posso recomendar que vejam.

Join the conversation!

  1. Ainda bem que gostaste deste filme. É uma das minhas adaptações preferidas de Agatha Christie! Grandes interpretações e boas reviravoltas :)

    ResponderEliminar

© Diário da Chris. Design by FCD.