OSCARS 2020 | A GRANDE CERIMÓNIA

13/02/2020

Acompanho a cerimónia dos Oscars à relativamente pouco tempo. Por isso não tenho memórias de muitas galas memoráveis. Vejo com o entusiasmo de uma novata na coisa, mas tenho a completa noção de que as cerimónias já foram bem mais marcantes. 

A gala de 2020 foi novamente uma gala sem apresentador fixo e que se foi socorrendo dos vários actores para fazerem pequenos apontamentos de apresentação e humor. Este ano a questão da falta de nomeação de pessoas de cor esteve novamente em alta e percorreu quase toda a gala. Tal como a questão da mulher e do feminismo. Fico sempre um pouco reticente quando estas questões são abordadas. Porque temos que nomear tal e tal pessoa apenas porque são negros ou mulheres se o outro actor branco fez um melhor papel, teve uma melhor interpretação. Acabamos por cair agora num momento onde a diversidade tem de ser maior do que a qualidade. Não acredito nisso e as pessoas têm que começar a olhar para as pessoas como profissionais da sua área independentemente da sua cor. Se não vejamos, que grande papel de uma pessoa de cor escapou aos Oscars?

A noite começou com uma grande actuação da Janelle Monáe, com aquele seu vozeirão e com um momento de abertura muito divertido e bem apelativo aos grandes nomeados da noite. Foi uma boa substituição ao grande discurso de introdução do apresentador e deu animação para começar a gala. Depois seguiu-se o primeiro momento de discurso e de comédia da noite com os actores Chris Rock e Steve Martin, ambos já foram apresentadores dos Oscars, e que fizeram ali um bocadinho de tempo a comentar a falta de apresentador, a crise de diversidade dos Oscars, um momento de chamada de atenção que particularmente só me entreteve. Para além deste momento quero também ressalvar mais dois momentos de apresentadores que estiveram muito bem no quesito de comédia, foram eles o momento da Maya Rudolph e da Kristen Wiig, grandes actrizes de comédia que protagonizaram um momento hilariante. Mais destaco o momento Cats pelos actores Rebel Wilson e James Corden que também estiveram divertidos.

Os momentos musicais da noite destacaram-se com a interpretação de "Into the Unknown" na voz de várias interpretes da personagem Elsa ao longo do globo, que não foi um momento espectacular mas que foi interessante. A interpretação de Elton John também foi fantástica, tal como a de Cynthia Erivo que foi muito emocionante. Nestes momentos musicais quero destacar claro a interpretação de Billie Eilish da música "Yesterday" dos Beatles no momento de homenagem a quem já partiu, um momento muito suave e bonito. E claro não posso deixar de destacar a surpresa da noite que foi Eminem a interpretar "Lose yourself". Todos ficaram bem espantados e muitos sem perceber bem o que estava a acontecer, até porque acho que ele teve uns problemazinhos técnicos ao início. Mas confesso que gostei da surpresa porque a música pertencia a um filme da minha adolescência e que me trás boas memórias. 

A noite foi marcada por discursos muito interessantes, quase todos os vencedores disseram coisas importantes para os direitos das mulheres e do estado actual da política norte americana. Para mim o discurso da noite foi sem sombra de dúvidas o de Joaquin Phoenix, acho que sem ir demasiado pelo seu lado vegan e pelos animais, exaltou coisas muito importantes como a dominação por parte de pessoas, raças e nações. 

Por último falar dos grandes vencedores da noite. "Parasitas" foi realmente o grande vencedor da noite. Não sei se já era expectável por muita gente, por mim não era, até porque não tinha amado o filme. Mas pensando bem, numa cerimónia pautada pela ausência de diversidade este era o filme e o elenco mais diversificado da noite. Não concordei muito com a entrega deste Oscar, mas agora olho para ele como o alerta para o ocidente de que lá, no outro lado do mundo, também se faz cinema, também se faz bom cinema, e de que ler umas legendas de vez em quando não faz mal e só nos permite conhecer mais. Daí também ter gostado que o realizador do filme optasse por falar a maioria do tempo na sua língua com a ajuda de uma intérprete e não em inglês. 

Confesso que fiquei surpreendida por 1917 não ter conseguido mais algum Oscar, principalmente na categoria de Melhor Realizador onde era a escolha mais justa. Outra surpresa da noite para mim foi sem sombra de dúvidas o vencedor de melhor filme de animação com "Toy Story 4", não vi, mas confesso que não estava nada à espera  de que se sagrasse vencedor. E de resto, sou sincera, não achei nada surpreendentes estes Oscars.

E vocês? Viram os Oscars?
O que acharam da grande noite do cinema?

Join the conversation!

© Diário da Chris. Design by FCD.