OSCARS 2019 | A GRANDE CERIMÓNIA

28/02/2019


Tenho acompanhado a cerimónia dos Oscars com mais atenção nos últimos anos e este para mim foi o pior ano, quer em nomeações quer na passadeira vermelha, quer na própria gala. Parece que após tantas polémicas que Hollywood se tem metido a Academia desistiu disto e produziu uma gala um pouco sem sentido e muito estranha. Tudo começou com a escolha do apresentador que rapidamente teve de ser esquecido devido a polémicas ligadas a afirmações que ele tinha produzido no passado. E a coisa foi-se arrastando sem apresentador até ao dia da gala. Pensei logo que a Academia iria utilizar os actores e figuras públicas para apresentar a gala, não estava era à espera que eles se reduzissem à mera apresentação das categorias e dos premiados. Foi acima de tudo uma gala fria, sem grandes momentos de comédia e bastante rápida no seu desenrolar.

Sem apresentador e sem monólogo inicial tivemos direito a uma abertura a cargo dos Queen e de Adam Lambert que apesar de revivalista começava a demonstrar uma clara preferência da Academia na homenagem a esta tão icónica banda e por conseguinte ao filme que os representava na competição. Gostei do momento, mas não da escolha das músicas interpretadas.

O palco esteve bastante bem durante toda a cerimónia, luxuoso com alguns apontamentos em pedraria, mas também algo piroso com as estatuetas dos oscars em flores ou noutros materiais. Já existiram edições onde a produção apostou bem mais nos cenários o que me agradaria mais, mas mesmo assim não esteve mal.

Este ano não existiu momento divertido com a plateia, não existiram selfies, pizzas ou invasões a cinemas, este ano reduziram-se a um momento de descida do tecto em homenagem a Mary Poppins. E um momento mais divertido na apresentação da categoria de Guarda-Roupa.

O momento mais emocionante esteve a cargos de Lady Gaga e Bradley Cooper que interpretaram "Shallow" de uma forma muito sentimental e que com certeza foi o ponto alto da noite.

Spike Lee levou para casa um Oscar e teve uma das reacções da noite. Percebe-se que a Academia preferiu este ano jogar um pouco pelo seguro e acabar por atribuir os Oscars a pessoas queridas da área ou a filmes que homenageassem figuras queridas como o caso de Bohemian Rhapsody, que à excepção do Oscar para Melhor actor não percebi o porquê de tantas atribuições de Oscars.

Surpresa da noite coube ao Oscar atribuído a Olivia Colman. Quando todos esperavam que Glenn Close levasse finalmente o Oscar, ele é-lhe retirado pela Rainha Anne que para mim foi merecidíssimo. Uma interpretação brilhante. Coube-lhe também por isso um dos momentos da cerimónia, ao ter para mim o melhor discurso individual da noite.

Quero ainda ressalvar as reacções dos vencedores nas categorias de melhor curta de ficção e de documentário "Skin" e "Period. End of Sentence" que tiveram as melhores reacções colectivas da noite. Mostraram a todos como deveriam reagir ao receberem um Oscar, que deve ser com entusiasmo e acima de tudo com vontade de utilizarem o seu trabalho para passarem uma mensagem. Ainda não vi as suas curtas, mas quero muito ver.

E para mim a grande surpresa da noite o grande vencedor "Green Book" vencedor na categoria de Melhor Filme. Não que eu não goste do filme, porque gostei bastante, apenas acho que estavam na corrida filmes muito melhores como "Roma" ou "The Favorite".

E vocês? Viram a gala? Gostaram de algum momento em particular?


Join the conversation!

© Diário da Chris. Design by FCD.