CINEMA | DARKEST HOUR

Darkest Hour é um filme histórico sobre uma das figuras mais icónicas da política de Inglaterra. Só em 2017 estrearam dois filmes sobre esta grande figura, mas este destaca-se pela grande interpretação do Gary Oldman. Hoje partilho com vocês a minha opinião sobre ele.

A poucos dias de se tornar primeiro-ministro da Grã-Bretanha, Winston Churchill enfrenta um turbulento desafio: explorar um tratado de paz negociado com a Alemanha nazi, ou manter-se firme e lutar pelos ideais de liberdade e independência da nação. Enquanto as imparáveis forças nazis atravessam a Europa Ocidental e a ameaça de invasão se torna eminente, com um povo impreparado, um rei séptico e o próprio partido a conspirar contra ele, Churchill vai suportar a sua hora mais negra, reunir uma nação e tentar mudar o curso da história.
Estamos em plena Segunda Guerra Mundial, Churchill pertence ao partido Conservador quando o actual primeiro ministro não reúne o consenso da câmara. Nessa altura resta-lhes poucas hipóteses e é então que Churchill é nomeado primeiro ministro. Figura controversa, pelas suas ideias e princípios, vai abalar o país ao ir contra o seu partido nas resoluções da guerra. O filme acaba por se centrar no cerco de Dunkirk e na forma como ele enquanto figura de estado o encarou.

Mais do que ser um filme sobre a história da época este é um filme sobre o Curchill. Ele era uma figura diferente, não só na sua maneira de estar no mundo, mas também na forma como encarava as decisões políticas. Não o conhecendo a fundo, nem a sua história profunda na política Inglesa, gostei da forma como ele nos foi apresentado no filme, um pouco rezingão, gostando das coisas à sua maneira, mas também alguém que lutava por um futuro melhor e contra umas das figuras mais desprezáveis do mundo. O filme centra-se na figura do Churchill, é ele que o sustenta, é ele o ponto principal. Todos e todas as histórias surgem à sua volta, a família, a secretária que lhe dactilografa as mensagens, os colegas de partido, o rei de Inglaterra. Todos têm um papel fundamental no crescimento dele enquanto pessoa, e fazem dele ainda um maior protagonista. Quase que podemos olhar para este filme também como um grande complemente ao filme de 2017 Dunkirk e assim perceber os dois lados deste grande acontecimento.

O filme conta com uma interpretação fantástica do Gary Oldman, que provavelmente estará nomeado aos Oscars como melhor actor principal, e terá muitas hipóteses de o ganhar. Toda a interpretação dele foi fantástica, não só na forma de o interpretar, mas também na voz e ao tentar não se assemelhar a si enquanto actor. Apesar de por vezes nós conseguirmos perceber quem ele é na realidade. O filme conta assim com um óptimo trabalho de maquilhagem e caracterização, concorrendo fortemente ao Oscar de melhor maquilhagem. Segundo o Gary Oldman foram três horas diárias para poder colocar de pé esta personagem.


A parte histórica, de guarda roupa e banda sonora transporta-nos para o mundo do Churchill, e mostra-nos o quão difícil e solitário pode ser o caminho de uma grande figura política.

4 comentários

  1. Ainda não vi, mas parece ser mesmo bom!!

    ResponderEliminar
  2. Depois de ler as tuas reviews destes maravilhosos filmes nomeados para óscares fiquei com uma vontade doida de ir ao cinema! É sempre um bom pretexto para comer pipocas. Vendo bons filmes é ainda melhor!

    Este é o tipo de filmes que valem o preço do bilhete!

    ❥ Biju da Ju,
    juvibes.blogspot.pt

    ResponderEliminar