CINEMA | BREATHE

Desde que vi o trailer deste filme que fiquei logo com uma enorme curiosidade para o ver. Filmes baseados em histórias reais cativam-me sempre e este aparentava ter uma vibe muito positiva, com uma boa energia. E por isso mal consegui tive logo que o ver. Hoje partilho com vocês a minha opinião.

O primeiro filme realizado por Andy Serkis conta uma inspiradora história de amor entre Robin e Diana Cavendish que recusam desistir perante uma devastadora doença.
Robin e Diana não podiam ser o casal mais feliz do mundo. Acabados de se conhecer e de começar uma vida a dois, essa mesma vida prega-lhes uma grande partida. Robin apanha um vírus que o imobiliza do pescoço para baixo, fazendo com que ele não consiga respirar sozinho e atirando-o para uma cama de hospital. Grávida do primeiro filho de ambos a vida parece mesmo não ter grande futuro e Robin acaba por quase desistir da vida, só que o amor que sentem um pelo outro não vai deixar que isso aconteça e juntos vão fazer com que a vida seja um pouco mais colorida e animada. Nessa jornada eles vão conseguir, com a ajuda de um amigo, criar uma cadeira de rodas e impulsionar esse objecto que tanta utilidade tem nos dias de hoje. 

Como já disse este era um filme que me tinha despertado logo curiosidade assim que saiu, e que acabou por não corresponder às minhas expectativas. Estava à espera de um filme arrebatador, que me fosse mesmo emocionar, o que não acabou por acontecer. O filme é muito bonito em termos de fotografia, iluminação, interpretações, banda sonora. Toca-nos com a sua história, tem a quantidade certa de humor  para nos fazer abstrair daquilo que é o retrato duro de uma doença que podia retirar por completo a vontade de viver de um homem. Mas o filme nem sempre nos soube passar a emoção necessária para o espectador também se emocionar com a história e com os personagens. Nem sempre as temáticas foram bem exploradas, e a criação da cadeira de rodas podia ter sido um foco mais explorado e explicado do filme. Ficamos a saber que a sua implementação no mundo não foi fácil, mas o filme foca-se em dois ou três momentos sobre esse assunto e nada mais, e a mim acabou por saber a pouco.
O filme não deixa de ser bonito, inspirador, com uma boa vibe e um sentimento de que tudo vai ficar bem. É um filme bom para quem gosta de histórias biográficas e de filmes acima de tudo bonitos.


E vocês? Já viram este filme?
O que acharam?

2 comentários