CINEMA | FATHERS AND DAUGHTERS


Filmes sobre relações familiares são sempre filmes que me despertam curiosidade. Mas este teve mais do que isso, um trailer que me interessou e a participação da Amanda Seyfried que me deixa sempre curiosa. No fim, ficou um filme favorito e um que recomendo muito.

Jake é um escritor aclamado que após perder a mulher num acidente de viação tem de lutar para conseguir criar a filha sozinho. Só que um problema mental começa a despertar em Jake e ele acaba a não conseguir criar Katie, da forma como sempre tinham vivido. Pai e filha foram sempre muito próximos e tinham criado a melhor das relações, mas o que será que tudo o que Katie viveu na infância farão pelo seu eu futuro.

Este é um filme poderoso, desde logo pela sua história. Pai e filha vivem a maior das relações, são mais que pai e filha, são companheiros inseparáveis e o amor que os une é inabalável. Mas Katie é uma criança quando todos os problemas se abatem na vida deles e ela tem que aprender a crescer sem os pais e acima de tudo sem aquele amor que ela sempre teve. Agora em adulta e apesar de ter estudado psicologia e querer ajudar outras crianças, ela ainda não tem tudo resolvido na vida dela. As interpretações são fantásticas, Russell Crowe no papel de Jake, um escritor famoso que num momento de pouca inspiração acaba mergulhado na sua escrita obsessivamente esquecendo muitas vezes a sua filha e essa dor, a dor de perder a mulher, o amor pela filha, mas o facto de não ter trabalho ou dinheiro é brilhantemente interpretados de uma forma que vamos mesmo sentir que estamos junto daquele homem. Temos depois Amanda Seyfried como Katie numa interpretação de uma menina mulher que não é capaz de se entregar em nenhuma relação, quer ela seja amorosa ou não, devido ao seu passado e às mágoas que a relação mal resolvida com o pai lhe acabou por marcar a vida. Destaque ainda para a Kylie Rogers que interpreta a Katie em pequena numa actuação fantástica que deu total credibilidade à personagem em criança.

Por último quero destacar deste filme a sua realização, edição e fotografia que estiveram simplesmente fantásticas, principalmente a sua edição, ao colocar a história do actual em seguimento da do passado em formas de flashbacks ou de entrosamentos nas imagens o que deu uma ar ainda mais fantástico ao filme.




Um filme que recomendo e que gostava que mais pessoas vissem.


Sem comentários