PIPOCAS, ÓSCARES, ACÇÃO | CHINATOWN

Para o primeiro filme do ano desta rubrica escolhemos o filme Chinatown. Nomeado aos Oscares no ano de 1975 estava a concurso com os filmes: “The Conversation”, “Lenny”, “The Towering Inferno” e “The Godfather: Part: II”, sendo este último o grande vencedor do ano. De todos os nomeados neste ano, o Chinatown foi aquele que mais nos despertou a curiosidade e foi esse mesmo que escolhemos. Confesso que estava muito curiosa para saber o que ia achar deste filme e apesar de não o ter adorado, gostei muito dele.



Los Angeles, 1937. O detective particular J.J. Gittes (Jack Nicholson) recebe a visita de uma mulher que acredita que o seu marido, engenheiro-chefe do Departamento de Águas e Energia, tem uma amante. Gittes logo descobre que a mulher era um embuste e encontra a verdadeira Evelyn Mulwray (Faye Dunaway), filha de Noah Cross (John Huston), um dos homens mais poderosos da cidade. O engenheiro aparece morto e Gittes, envolvido com Evelyn, vê-se no meio de um perigoso jogo de poder, com muitos segredos e mistérios.


Chinatown é um filme neo-noir. Confesso que quando escolhemos este filme eu não era muito familiarizada com esta categoria do cinema. Fui pesquisar e hoje sei que a expressão de um filme noir foi utilizada pela primeira vez em 1946 por analogia aos romances policiais da série noir. Normalmete eram filmes a preto e branco e com a sua maior temática nos policiais. Algum tempo depois surge a categoria de neo noir que é onde se insere o filme Chinatown, filmes já a cores e que tentam revitalizar as características dos filmes noirs originais, mas aprofundado a corrupção e as mulheres fatais.

Em Chinatown conhecemos assim um detective privado, com bastante sucesso e que é procurado por uma mulher  que pretende saber se é traída pelo seu marido. Rapidamente o detective Gittes começa as investigações e de um dia para o outro descobre a solução para o pedido da sua cliente. O maior problema é que no fundo ele não resolveu nada e percebe que está enfiado numa embrulhada e num dilema maior que ele, que envolve uma empresa corrupta, uma mulher encantadora, e um vilão muito poderoso. E foi disto tudo que eu gostei neste filme.

Este não e um filme fácil de se assistir, são duas horas de filme, todas elas em volta do caso abordado. Nele vamos assistir a uma boa investigação e vamos acompanhar de perto tudo aquilo que o detectiva faz e utiliza para ir atrás do seu objectivo. Vemos um homem ambicioso, perspicaz, inteligente e que apesar de sofrer alguns contratempos não desiste de encontrar uma solução para o seu caso. Gostei também de toda a aura do filme. Muito à semelhança dos filmes mais antigos a preto e branco, este é um filme demorado, que se foca no problema em questão, quase nunca abordando e explorando muito as personagens secundárias e esmiuçando ao máximo o problema principal. Gostei muito da forma com a investigação se foi desenrolando e acima de tudo do final surpreendente, que confesso não estava muito à espera.

Gostei também da interpretação de Jack Nicholson como o detective. É um homem que se nota que se entrega de corpo e alma à sua profissão de detective, tornando a personagem credível e levando o espectador a viver esta experiência com ele. Os altos e baixos da investigação são vividos com intensidade e sempre com a reviravolta de um detective que não descansa enquanto não encontrar a verdade.

É um filme que tem como realizador Romam Polanski, realizador do filme O Pianista, filme esse que já assisti e do qual gostei muito.

Poderia-lhe apontar como único defeito o facto de o mesmo ter duas horas de duração, quando poderia ser mais curto, mas o que é certo é que mesmo sendo tão grande, ele não perde as suas características, continuando a ser interessante. Por isso é definitivamente um filme que recomendo.

Podem ver a opinião da Catarina aqui.





Sem comentários :

Enviar um comentário