Com tecnologia do Blogger.

VIVER SOZINHA

Desde pequena que sempre tive o sonho de viver sozinha. Sempre disse que ia sair de casa cedo, ter o meu próprio cantinho. A vida encarregou-se de demorar a tornar possível esse meu sonho e essa minha vontade e, só agora aos 24 anos posso dizer que começo a trilhar o meu próprio caminho. Digo começo, porque apesar de já morar fora da casa dos meus pais, ainda não moro completamente sozinha. Mesmo assim estou longe da minha família e pela primeira vez completamente só. Já tinha tido a experiência de morar sozinha quando estudava na Universidade. Mas aí morava com a minha melhor amiga, ia a casa todos os fins de semana e não me considerava completamente a viver sozinha porque ainda dependia dos meus pais para tudo. Este ano consegui então um trabalho e tive a oportunidade de me mudar para uma outra cidade que não a minha e poder começar a viver a minha vida. 

Viver sozinho não é assim tão fácil como parece, tem o seu lado positivo e negativo, o seu lado mau e o seu lado bom. Nem sempre tudo corre bem e todos os dias temos de superar o lado menos bom da vida sozinhos. Viver sozinho é isso, aprender a viver dependendo só de nós e isso nem sempre é fácil. Mas é também essa a beleza de morar por nossa conta, poder crescer com as adversidades da vida, e com as alegrias do dia-a-dia. Desbravar caminho, conhecer os nossos limites, conquistar o mundo. Apesar desta minha nova fase ainda ser recente confesso que é uma que estou a adorar, apesar de tudo, poder trilhar o meu próprio caminho é a maior sensação do mundo.

O pior de tudo, pelo menos para mim, são mesmo as saudades. Nunca fui uma pessoa muito ligada à família, apesar de a adorar muito, antes não lhe dava a devida importância. Mas a vida mostra-nos realmente que eles são importantes e só eu sei o quanto dói cada fim de semana que vou a casa e tenho que lhes dizer adeus uma e outra vez. A sensação de estar sozinha e de conquistar o mundo é muito boa, mas ter alguém com quem a partilhar é ainda melhor. Sou-lhes eternamente grata por me terem apoiado nesta minha decisão de sair e vir viver a minha vida para tão longe, sei que para eles também não é fácil, mas a vida é mesmo assim.

Viver sozinho pode ter altos e baixos, momentos bons e menos bons, mas para mim, será sempre um momento de aprendizagem. Não são só as tarefas que agora tenho que fazer sozinha, ou as compras que têm de ser feitas com mais cabeça, ou contas que não param de chegar. É também um outro lado de descoberta de nós próprios. São locais que vamos conhecer, pessoas novas que vamos adicionar à nossa vida. Sabores e dissabores que a vida nos vai dar e acima de tudo formas de os aceitar ou resolver. Viver sozinha implica muito sentido de responsabilidade, mas também vai trazer muita diversão. No fundo é um misto de tudo aquilo com que sempre sonhamos e um bocadinho daquilo que não queremos ter na vida. E no fim cabe-nos a nós aproveitar toda esta experiência.

2 comentários

  1. Sempre pensei que também gostaria de viver sozinha, mas agora que vejo essa possibilidade chegar caso entre na universidade de Aveiro penso que talvez não consiga xD
    Vejo-me a adiar e a pensar que talvez seja melhor ir de comboio

    ResponderEliminar