CINEMA | THE REVENANT

Se há filme que teve hype nestes Oscars foi este. De todos os lados as opiniões era unânimes. E por isso lá fui eu ao cinema cheia de expectativas, mas quanto mais expectativas começo a criar mais desiludida acabo por ficar. E apesar de ter gostado do filme não o adorei de todo. Nomeado para 12 oscars (melhor filme, melhor realizador, melhor actor principal com Leonardo DiCaprio, melhor actor secundário com Tom Hardy, melhor fotografia, melhor montagem, melhor edição de som, melhor mistura sonora, melhor direcção artistica, melhores efeitos visuais, melhor guarda-roupa e melhor caracterização) e é bem capaz de ser um dos grandes vencedores da noite.

Numa expedição pelo desconhecido território americano, o lendário explorador Hugh Glass é brutalmente atacado por um urso e deixado como morto pelos seus companheiros de caça. Na luta pela sobrevivência, Glass resiste a um sofrimento inimaginável, bem como à traição de John Fitzgerald, um dos seus companheiros de expedição. Guiado pela sede de vingança e o amor da sua família, Glass terá de enfrentar um inverno rigoroso numa busca incessante pela sobrevivência e redenção.

Este filme é mais uma vez baseado num livro inspirado na história real do explorador Hugh Glass, e conta-nos a história deste homem que após ser atacado por um urso e se ter tornado um fardo para os companheiros é deixado para trás. Só que antes de ser abandonado um colega de expedição acaba por matar o filho de Hugh o que o deixa bastante abalado, mas ao mesmo tempo acaba por lhe dar força para sobreviver e ir atrás da vingança por quem lhe matou a pessoa mais importante da sua vida. Só que o regresso dele não vai ser fácil porque precisa ultrapassar um inverno muito rigoroso e tentar não ser morto pelos povos indígenas daquela região.

A trama parece assim à primeira vista bastante simples e ela é de facto simples. Trata-se de um homem em busca de vingança, dificultada apenas pela época, pelo tempo e pelas pessoas à sua volta. E foi precisamente essa simplicidade que não me fez adorar o filme, porque para aí a meia hora do filme eu já sabia mais ou menos como é que o filme ia terminar. Estava à espera de algo mais, algo que me fizesse pensar mais. Mas se o filme perde para mim no quesito da história, ganha em todos os outros aspectos. A realização e edição do filme são espectaculares, assim como a fotografia. Temos planos fantásticos, cenas de cortar a respiração e nesta questão de imagem é mesmo um filme de nos colar ao ecrã. Outro ponto positivo vai também para a equipa de maquilhagem e caracterização que estiveram fantásticas no trabalho feito com o Leonardo DiCaprio, dizem que demoraram 5 horas a criarem os ferimentos da personagem Hugh Glass. E por último o meu ponto positivo vai para o casting, principalmente para o Leonardo DiCaprio e para o Tom Hardy simplesmente brilhantes nos seus papéis. Todo o elenco entregou-se mesmo a estas personagens proporcionando-nos momentos tanto hilariantes como de cortar a respiração de tão intensos que eram. O meu ponto negativo vai apenas para a banda sonora que para mim não foi de todo bem explorada.

É um filme que recomendo, mas que acabou por não ficar um favorito. Espero que seja desta que o Leonardo DiCaprio leve para casa a estatueta dourada porque merece muito.





2 comentários

  1. eu vi-o no cinema ainda ha uma semana atrás e arrepiou-me imenso. Já para não falar que me estava a por mesmo stressada. Parecia mesmo real. Mas foi um bom filme!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Sim tem certas partes que são mesmo intensas.. :D

      Eliminar