CINEMA | CAROL

Neste filme confesso que o que mais me chamou a atenção foi sem sombra de dúvidas o cartaz. A sua beleza subtil fez-me partir para o filme e desfrutar de um momento maravilhoso que nos transmite uma óptima mensagem. Nomeado para cinco Oscars (melhor actriz principal com Cate Blanchett, melhor actriz secundária com Rooney Mara, melhor argumento adaptado, melhor fotografia, melhor banda-sonora original e melhor guarda-roupa) é daqueles filme que não sei se levará para casa algum Oscars dado a concorrência que tem em cada categoria.

Em Nova Iorque, no início da década de 1950, Therese Belivet trabalha numa loja em Manhattan e sonha com uma vida mais gratificante quando conhece Carol Aird, uma mulher sedutora presa a um casamento fracassado. Uma ligação surge entre ambas, levando a que a inocência do primeiro encontro dê lugar a uma relação profunda. Quando o envolvimento de Carol com Therese se torna público, o marido de Carol retalia, pondo em causa a sua competência como mãe. Com Carol e Therese a fazerem-se à estrada, deixando para trás as suas respectivas vidas, um confronto vai colocar à prova as convicções de cada mulher sobre si mesma e o compromisso para com a outra.

O tema que nos é trazido por este filme é um tema forte, tanto na altura como hoje em dia também. Ser homossexual é um grande obstáculo para algumas pessoas e para algumas culturas. E em 1950. era ainda pior, ainda para mais quando o casal era de lésbicas. E este filme explora este tema de uma forma brilhante. Por um lado temos a descoberta da sexualidade e do amor por parte da Therese que no início do filme tem inclusive um namorado, mas que rapidamente se deixa cair no encanto e na novidade que é a Carol. Ao mesmo tempo que o filme nos mostra uma Carol ávida de aventura e amor, mas presa a um casamento apenas e só por causa da sua filha. E o entrelaçar destes dois temas é tão bem feito que o espectador fica ali colado à espera de saber qual vai ser o desfecho daquela história.

Mas o que eu mais gostei neste filme foi sem sombra de dúvidas o seu ambiente, a sua imagem, a sua fotografia, as cores do filme, o guarda-roupa, pormenores que para mim fizeram muita diferença. E depois claro a interpretação das actrizes principais que estiveram excelentes em todos os momentos, desde o mais simples olhar até à cena mas íntima, todas foram feitas e interpretadas com a maior elegância elevando para outro patamar o filme.

É um filme que recomendo muito, aborda um tema muito importante e que por isso merece mesmo ser visto.




Sem comentários