CINEMA | 45 YEARS, ANOMALISA, JOY

E com este post as opiniões dos filmes dos Oscars chegam ao fim. Agora é só fazer figas e esperar que aquele filme que ficou favorito ganhe e leve a estatueta dourada para casa.

Este filme conta-nos a história do casal Kate e Geoff prestes a comemorar 45 anos de casados. A preparar a sua grande festa de comemoração Geoff recebe uma notícia que os vai abalar muito, o corpo da sua primeira namorada foi encontrado na montanha onde ela havia morrido congelada. Só que esta notícia abala-o muito porque ela havia sido o seu primeiro grande amor e tudo isto trouxe-lhe à tona todo um conjunto de sentimentos. Eu gostei deste filme apesar de não o ter adorado. Gostei de ver a relação entre os dois, que mesmo após 45 anos de casados ainda mantinham o amor e a atracção sexual um pelo outro, mostrando que ser velho não é sinónimo de ter morrido. E gostei de ver também a relação de cada um com a notícia descoberta bem na semana da festa. Gostei que o filme não entregasse logo todas as informações sobre cada um e principalmente sobre a história do Geoff com o primeiro amor, mas sim que as fosse dando ao longo do filme de uma forma indirecta levando a ser o espectador a decifrar as coisas. Um filme que prima pela imagem, banda-sonora e interpretação dos actores, mas que me decepcionou pelo final.



Michael Stone é um escritor de renome que dá palestras um pouco por todo o país. Notamos logo no início do filme que ele aparenta ser um homem cansado com a vida, cansado da rotina e em busca de uma nova aventura. Quando ele se hospeda no hotel da cidade onde vai dar mais uma palestra, e ouve a voz da Lisa ele pensa ter encontrado essa aventura e um novo amor, mas será que foi realmente isso que ele encontrou? Estava super curiosa quanto a este filme porque só ouvia críticas positivas e infelizmente eu acabei por não adorar o filme. Gostei da premissa base, gostei da animação feita em stop-motion, mas alguns pormenores da história acabaram por não me agradar. Primeiro não gostei de todo da personagem do Michael, muito perturbado, um homem com alguma dificuldade em se comunicar com os outros, apesar de ele escrever sobre isso, fez logo com que eu não fosse muito com a cara dele. Sei que o fizeram de propósito para fazerem um paralelismo com a sociedade dos dias de hoje mas acho que acabaram por exagerar. O meu ponto positivo vai sem sombra de dúvida para a animação do filme, diferente das animações tão modernas de hoje em dia. Sei que é um grande favorito para ganhar o Oscar de melhor filme de animação, mas não é o meu. Nesta categoria acabo por preferir o Inside Out.



Joy acabou por ser um dos filmes que menos me captou e aquele que deixei para ver por último. Conta-nos a história da Joy uma rapariga muito criativa desde pequena, mas que por causa dos pais nunca pode explorar essa sua veia porque precisava ajudar em casa. Depois ela casou teve dois filhos e o sustento da casa era todo da sua responsabilidade porque a oficina do pai começou a dar prejuízo. É num momento crítico que ela decide criar uma esfregona revolucionária e tentar solucionar os problemas da família vendendo em massa essa esfregona. A partir daqui a história é a jornada da Joy na busca pela venda sustentável da tal esfregona. A base desta história está no empreendedorismo e na força de empreender e vingar na vida de Joy. Para isso serve-lhe a sua criatividade, a sua perseverança e a sua vontade de vencer na vida apesar de à sua volta ninguém ser assim. A mãe passa o dia no quarto a ver novelas, o pai e o ex-marido vivem na cave da sua casa, o pai e a irmã não fazem nada para salvar a oficina e todos estão à espera de ver Joy falhar. E a Joy e toda a sua força e toda a sua jornada foi mesmo o que eu acabei por gostar, porque nos mostra que tudo é possível mesmo quando nada parece resultar. No entanto não consegui gostar de todo o enredo familiar e de todo o ar cómico que lhe quiseram dar. Um filme bom mas não perfeito.

2 comentários

  1. Fiquei curiosa com o 45 years.
    Ainda não vi mas estou ansiosa para ver o Anomalisa

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Por acaso desiludiu-me um bocadinho.. mas aconselho pela temática.. :D

      Eliminar