PIPOCAS, ÓSCARES, ACÇÃO | GUESS WHO'S COMING TO DINNER

Este ano decidi que queria ver mais filmes antigos. O cinema é uma área da minha vida muito importante, mas sentia que estava sempre a ver os filmes mais recentes e que nunca me aventurava pelos filmes mais antigos. Vai daí eu e a Catarina do blog Sede de Infinito decidimos ter este ano um desafio cinematográfico em conjunto. Decidimos aliar o nosso gosto pelos Óscares e o facto de eu querer ver filmes mais antigos e criamos o projecto: Pipocas, Óscares, Acção. O projecto consiste em todos os meses sortearmos um ano dos Óscares e escolhermos do ano sorteado um dos filmes nomeados para assistir. Em Janeiro o ano sorteado foi o ano de 1968 e o filme que escolhemos foi o "Guess who's coming to dinner". E é precisamente sobre esse filme que vos falamos hoje.

"Guess who's coming to dinner" é um filme de 1967 que conta a história de Joanna uma rapariga branca, que numa ida ao Hawaii conhece o prestigiado Dr. John Prentice, um homem negro. Rapidamente desenvolvem uma relação e decidem casar. É no regresso a casa que a história se dá, quando ambos têm que comunicar a decisão deles.

A premissa da história é bastante simples, mas é também nessa simplicidade que reside o maior problema. Porque se hoje em dia um homem negro casar com uma mulher branca é normal, à época o mesmo não acontecia. O filme todo acontece em apenas um dia e tudo é dito, falado e discutido nesse dia. O filme apenas se baseia nas relações e nos diálogos entre as poucas personagens que entram no filme. Por um lado temos o casal apaixonado que quer à força toda que o amor entre eles vença, mas principalmente que os seus familiares mais chegados o aprovem. Temos depois os pais da Joanna, brancos, com alguma posição na sociedade, que apesar de liberais ficam algo afectados com a grande notícia, principalmente porque nunca esperaram que a sua filha se quisesse casar com alguém negro. E por fim temos os pais do Dr. John, negros, com uma posição não tão alta na sociedade e que ficam bastante chocados com a decisão do filho, porque não estavam de todo preparados para que o filho casasse com uma mulher branca. A pare destes personagens principais, temos também neste filme personagens secundários que aparecem na trama como que a representar o resto da sociedade, porque num filme que quase só se restringe a uma casa, precisava-se de colocar na trama outros pontos de vista. Então temos um padre muito amigo da família, apesar de eles não serem católicos praticantes, que acaba por ser um dos pontos apaziguadores do filme. Temos a empregada negra, que apesar de ser de cor se mostra sempre muito indignada e até contra a grande novidade. E por fim temos também a amiga e sócia da mãe de Joanna que representa a sociedade racista, pois é dessa forma que ela se comporta quanto à relação de Joanna com o Dr. John.

Mas falando-vos da minha opinião e da minha experiência quanto ao filme. No geral foi um filme que eu gostei muito e até me surpreendi por ter gostado tanto de um filme mais antigo, porque sempre me conheci como pessoa que gostava mais dos filmes modernos. O filme para mim fluiu muito bem e no geral posso dizer que gostei muito do mesmo. O tema foi bastante polémico para a época, trazia à tona o tema do racismo e do casamento inter-racial, um tema que hoje em dia parece ultrapassado mas que ainda vai tendo os seus problemas aqui e acolá. No filme gostei também do facto de o mesmo se passar apenas em um dia e terem conseguido explorá-lo ao máximo, tendo havido tempo para todas as conversas e para se focarem no problema principal de uma forma, que embora lenta, acaba por não se tonar chata.

Mas, para mim, também existiram algumas partes não tão bem conseguidas. Não me consegui relacionar com o casal principal, porque também não consegui sentir tanta empatia entre eles. Outra das coisas que eu gostava de ter visto também mais explorada no filme era a relação da família com as empregadas negras, nota-se que se relacionam bem, mas não nos é dado mais que isso e eu gostava de ter visto mais. Por último, uma coisa que acabou para mim mal explorada é de facto a questão do racismo do casal com a sociedade exterior que não os familiares mais próximos, porque ao longo do filme vemos o desagrado dos pais, da amiga da mãe e até da empregada, mas não vemos o casal em causa numa situação de descriminação na sociedade cá fora. Teria sido de todo importante ter visto a sua reacção a um momento desses. 

No geral foi um filme que gostei porque aborda um tema muito importante para a época, mas não menos importante para os dias de hoje, ainda que de uma outra forma. Um filme que vale a pena ver.



Sem comentários :

Enviar um comentário