Com tecnologia do Blogger.

TV SHOWS | GLEE

Há séries que nos marcam só a nós. Olhamos para elas de uma forma diferente de todas as pessoas. Há séries que são as nossas e que por mais que tenham defeitos e que toda a gente as odeie nós vamos continuar a ver e a adorar, porque são nossas. Com o Glee aconteceu-me isso. Desde a primeira temporada que me apaixonei pela série e por mais que a mesma nem sempre tenha sido a melhor série do mundo vai ficar com certeza uma das minhas séries da vida por tudo aquilo que significou para mim. 

O professor de Espanhol Will Schuester (Matthew Morrison) resolve reavivar o grupo coral da escola, o Glee Club. Tentando dar uma nova vida ao grupo, ele procura alunos diferentes, populares e nerds, como a Rachel Berry (Lea Michele), Kurt Hummel (Chris Colfer), Finn Hudson (Cory Montheith), Quinn Fabray (Diana Agron) e Brittany (Heather Morris). Schuester tenta equilibrar a sua vida pessoal, enquanto ensaia os seus novos alunos, mas cedo começa a enfrentar as armadilhas da treinadora Sue Sylvester (Jane Lynch). 
A premissa da série é bastante simples. Um professor de uma escola secundária decide reabrir o grupo coral  da escola começando a reintegrar os alunos unindo-os nas artes performativas. É aí que um grupo de estudantes bem diversificado se junta, ao início numa de experimentarem o clube, mas aos poucos e poucos o grupo vai conquistando o seu lugar, novas amizades vão sendo feitas e muitos problemas superados. A série conjuga os problemas dos adolescentes, típicos da idade que têm ligando-os com a música, cantando para demonstrar sentimentos, pontos de vista, estados de espírito. Cada um vai encontrar o seu caminho, ultrapassar dificuldades, fazer amizades, descobrir o amor, formar uma família. A série tem assim dois grandes focos, os dramas dos adolescentes e a música que eles utilizam muitas vezes para a demonstração desses mesmos conflitos. E, paralelamente vão também surgir outras histórias envoltas em bastante comédia que acabam por dar outro ar à série.

O que me prendeu de imediato a esta série foi a abordagem que ela faz dos problemas dos adolescentes. Comecei a ver esta série para aí no meu primeiro ano de Universidade e confesso-vos que acabava por me identificar ainda com alguns dos problemas abordados na série. O bullying, as primeiras descobertas quanto ao amor, a nossa vocação, a amizade. Foi talvez das coisas que sempre me agradou nesta série, o facto de abordar muitos temas e assuntos particularmente importantes para os adolescentes e isso fez com que a série se aproximasse de todo um público mais jovem ávido por semelhanças e aprendizagem. A série acaba depois por extravasar e por levar as coisas também para um outro exagero com a parte mais cómica, mas que acaba também por dar um outro ar à mesma aumentando por este lado a faixa etária do público que via a série.

Outra das coisas que mais gostei nesta série foi sem dúvida as músicas interpretadas por quase todo o casting de Glee. Existiu um excelente trabalho de recolha, tratamento e adaptação das músicas integrantes da série fazendo com que as mesmas fossem diferentes e apelativas. Esta é uma série recheada de talentos que só fazem com que a mesma, a nível musical, tenha um outro nível.

Apesar de não ter um personagem favorito nesta série acabei sempre por adorar o núcleo principal do Glee Club. Mas existia um personagem que eu gostava muito por tudo aquilo que ele representava para a série e para o Glee Club que era o Finn interpretado pelo Cory Monteith, que devido aos seu falecimento acabou por ter um fim abrupto na série. O episódio que fizeram em sua homenagem foi para mim um dos mais difíceis de ver por tudo aquilo que a sua personagem significava e por todo o vazio que ele deixou na série. Acredito que foi a partir daí que a série acabou por perder um pouco o seu rumo.

Esta não é de todo a série perfeita e está longe de agradar a toda a gente e acho que esse também não era de todo o objectivo com ela. Mas acredito também que a mesma acabou por tocar um grande número de jovens e adultos que puderam se identificar com a série e com os problemas nela retratados. Eu própria consegui-me identificar com alguns momentos, mas essencialmente eu identifiquei-me muito com o formato da série. Foi talvez das séries à qual fui mais fiel, nunca conseguindo estar muito tempo afastada dela. Mas, se me perguntarem se eu gostei do final da série não posso dar uma resposta totalmente afirmativa. Acho que não foi de todo o final que a série merecia, mas também sei que a série já não suportava mais temporadas. Após a morte do Cory acho que os produtores não souberam dar uma continuidade muito boa à série apesar das diversas possibilidades que existiam. 

É uma série que vai deixar saudades principalmente por tudo aquilo que podia ter sido feito e acabou por não o ser. Eu pelo menos vou ter muitas saudades da série. Recomendo muito  apesar de saber que a mesma não será de todo uma série que irá agradar a toda a gente.



Image Map

6 comentários

  1. Oh, Glee! Que saudades! A série marcou tanto uma parte da minha vida <3 Só tenho pena que as últimas temporadas tenham descido em qualidade, mas ainda assim acompanhei sempre com gosto. Vou ter saudades da Rachel-Louca-Diva-Super-Melhor-Que-Os-Outros e do Blaine-Lindo-Maravilhoso-Fofo xD

    "Yeah, you may think that I'm a zero. But, hey, everyone you wanna be. Probably started off like me." Nunca me vou esquecer da Loser like me. É o meu hino para combater as inimigas ahahah

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Sim.. é verdade, as últimas temporadas podiam realmente ter sido melhores..
      Lose Like Me acho que marca mesmo esta série.. :D

      Eliminar
  2. Actualmente, não vejo, mas já vi e gostava.

    ResponderEliminar
  3. Respostas
    1. Eu gosto muito.. mas sei que não agrada a toda a gente.. :D

      Eliminar