CINEMA | EXTREMELY LOUD AND INCREDIBLY CLOSE

O ano passado numa leitura conjunta li o livro que deu origem a esta adaptação cinematográfica. Foi um livro um pouco polémico mas foi um livro do qual eu gostei muito e logo na altura fiquei muito curiosa para assistir ao filme, mas só o consegui fazer este ano. Um filme um pouco diferente do livro mas muito tocante de vários pontos de vista.

Oskar Schell, de 11 anos, é uma criança excepcional. inventor amador, francófilo, pacifista. Depois de encontrar uma misteriosa chave que pertencia ao seu pai, que morreu no 11 de Setembro no Wall Trade Center, ele embarca numa excepcional viagem - uma urgente e secreta pesquisa através dos cinco distritos de Nova Yorque. Enquanto vageuia pela cidade, Oskar encontra uma grande variedade de pessoas, cada uma sobrevivente do seu próprio modo. No final, a viagem de Oskar termina onde começa, mas com o consolo da maior experiência humana: o amor.
Quando eu descobri o livro aquilo que mais me tinha despertado a atenção para o ler era o facto de a história dele ser a história de uma família que tinha acabado de perder alguém no ataque às torres gémeas, principalmente a história de um menino que acaba de perder o pai que tanto adorava e que a única coisa que queria era sentir-se mais próximo dele. Quando parti para o filme só queria sentir tudo aquilo que tinha sentido quando li o livro, aquilo que senti com cada personagem, com cada aventura, com cada memória. E é com alguma pena que digo que não foi totalmente isso que eu senti ao ver o filme. No fundo a história base do livro está lá, mas muita coisa foi modificada.

Eu acabei por gostar da aura do filme e da forma como o mesmo foi realizado. O filme tem momentos muito engraçados interpretados pelo Oskar, mas ao mesmo tempo momentos muito aterrorizadores e isso faz com que o espectador se ria e se empolgue com ele mas ao mesmo tempo se compadeça com ele também. Por outro lado existiram algumas coisas que me irritaram como a troca de personagens ou passagens, ou a supressão de outras. Outra coisa da qual eu não gostei tanto foi do facto de existirem alguns aspectos que podiam ser melhorados no filme que não funcionaram no livro e que continuaram a não funcionar no filme. Isso é das coisas que mais me irritam porque os realizadores e produtores têm a oportunidade de no filme melhorarem certos aspectos do livro, tornando-os diferentes e melhores.

Apesar de tudo o filme transmite bem ao espectador o sentimento que se vivia no após 11 de Setembro e de como as pessoas que sobreviveram ficaram afectadas em todos os sentidos, quer fosse emocionalmente, quer no seu dia-a-dia no simples recurso a um transporte público.

Visto de uma forma distanciada, livro e filme, devem ser visto de formas isoladas. O livro aborda as coisas de uma forma mais profunda, quer na história do Oskar quer na história dos personagens secundários o que acaba por dar mais intensidade à história e ao enredo. O filme apesar de não ser tão profundo acaba por nos dar a personificação de tudo aquilo que sentimos no livro e por isso já vale bem a pena.

Image Map

4 comentários :

  1. Confesso que só vi o filme, ainda não consegui ler o livro, mas segundo o que dizes o livro parece ser muito melhor.. Tenho que mudar isso.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Eu gostei mais do livro do que do filme porque o livro é mais profundo e conta mais história daquela que é retratada no filme..
      Se o leres um dia espero que gostes..

      Eliminar
  2. Quando soube que o filme tinha sido um dos piores cotados de sempre a estar nomeado ao Óscar de Melhor Filme, fiquei curioso. Vi-o e não achei que fosse assim tão mau. Talvez seja por não ter lido o livro haha. A performance da Sandra Bullock, apesar de pequena, é fantástica.

    Ricardo, The Ghostly Walker.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Sim.. o filme em si isolado do livro é um bom filme, mas para quem leu o livro acaba por sentir falta de certas partes.
      E sim a interpretação da Sandra Bullock é realmente maravilhosa..

      Eliminar