TV SHOWS | THE CARRIE DIARIES

Não sou das grandes fãs da série "Sexo e a Cidade", mas quando a apanhava na televisão lá me perdia umas horas, porque realmente a mesma é viciante de vários pontos de vista. Quando descobri que existiam dois livros que contavam a história da Carrie antes da série adulta acabei por os comprar porque a curiosidade ainda era grande. Com o passar do tempo a vontade de ler os livros acabou por se ir desvanecendo e quando a sua adaptação a série televisiva apareceu acabei por decidir ver a série antes de ler os livros. Hoje é o dia para vos falar de tudo aquilo que achei da série.

Antes de dominar a cidade de Nova York ao lado das amigas Samantha, Miranda e Charlotte, Carrie Bradshow passou por todas as questões de uma adolescente comum. Em plena década de 1980, numa cidade pequena, ela enfrentou a morte da mãe e a revolta da irmã mais nova, Dorrit, com a ajuda das amigas Maggie e Mouse e do amigo Walt. Após conseguir um estágio numa firma em Manhattan e reencontrar uma antiga paixão, Sebastian, Carrie irá começar a descobrir as regras do amor e do sexo.
A primeira coisa que me cativou nesta série foi sem sombra de dúvida toda a aura dos anos 80, desde os cenários até ao guarda-roupa das personagens. Acho que no geral a produção da série conseguiu reunir uma boa aura desde a parte mais conservadora da vila onde a Carrie vivia até aos excêntricos anos 80 da cidade de Nova York. Para além disso a serie vai fazendo algumas referências à época, como acontecimentos e  músicas, para o espectador ir-se situando o que fez com que nos sentisse-mos mesmo naquele ambiente. Acho até esta série mais bonita em termos de moda do que a série "Sexo e a Cidade", embora esta última tenha sido gravada há mais tempo.

Apesar de por vezes a Carrie parecer um pouco menina do papá e imatura em certas atitudes que ela tem, é também bastante lutadora e perseverante indo atrás daquilo que ela quer. Claro que para a idade dela e para todo o ambiente em que ela vive todos esses comportamentos eram normais. Mas ao mesmo tempo que a série ia avançando fui começando a não gostar de certos comportamentos dela e comecei a deixar de achar tanta piada à série. Acredito que se continuassem com a mesma teriam de tornar a personagem principal mais atrevida e com mais vontade de arriscar, numa tentativa de se assemelhar à Carrie adulta de "Sexo e a Cidade".

Uma das coisas que acabei por não gostar muito na série foi o seu lado romântico em todos os aspectos. Acabei por não gostar dos romances da Carrie e desse seu lado mais imaturo. Também acabei por não gostar em particular de nenhum outro casal em especial e esta foi sem dúvida uma das partes que menos gostei na série.

Por outro lado uma das coisas que mais gostei nesta série foi o facto de abordar alguns temas importantes para aquela época e até para os dias de hoje, como a gravidez na adolescência, a entrada na universidade, a escolha de um futuro profissional, o relacionamento homossexual, a perda de um familiar, entre outros temas que vão sendo abordados na série.

A série acabou por contar apenas com duas temporadas, tantas quanto o número de livros que lhe deu origem. E acredito que fizeram as suficientes para contar a história da Carrie de uma forma explorada. Não ficou de todo uma série favorita mas recomendo a todos os que gostam de uma série feminina e que retrata o início da vida da Carrie.


Image Map

2 comentários

  1. Não conhecia esta série, só o Sexo e a Cidade. Parece mais interessante ainda para mais adoro toda a envolvência dos anos 80.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Para quem gosta de uma série leve recomendo muito.. :D

      Eliminar