CINEMA | LULLABY

Quando escolhia os filmes que queria ver no verão de 2014 este foi um dos que mais me chamou à atenção, porque é o típico filme da Chris. Não posso mesmo negar que este é o meu tipo de filmes e aqueles que mais gosto de ver. Depois de ver o trailer ainda mais curiosa fiquei. Mas foi só em Dezembro que tive oportunidade de o ver e devo dizer que não fiquei desiludida.

Afastado da família, Jonathan descobre que o pai decidiu desligar-se do sistema de suporte de vida daí a quarenta e oito horas. Durante esse período de tempo, vai desenrolar-se o drama de uma vida. Robert recupera tudo o que a sua doença roubou à família enquanto se inicia o debate aceso em torno dos direitos dos pacientes e o que realmente significa ser livre.
Acredito que este não será um filme amado por todos mesmo pelos amantes do género. Conta-nos a história de uma família separada pelo tempo e pelas convicções. Quando o patriarca da família se encontra às portas da morte, internado no hospital e prestes a desligar as máquinas, a família reúne-se numa tentativa de o demover de tal acto. É quando todos se reúnem que terão de se enfrentar uns aos outros bem como os seus problemas pessoais e do passado.

O filme tem aquela aura bem pesada. Primeiro porque quase todo ele se passa num hospital oncológico e segundo porque a relação familiar de todos não é definitivamente a melhor. E o filme para além de abordar o drama familiar engloba também algumas histórias paralelas, nomeadamente a de uma paciente do hospital que vai ter uma relação bem especial com Jonathan. A relação deles é tão especial que mesmo apesar da grande diferença de idades, ambos vão aprender grandes lições de vida e ultrapassar grandes obstáculos.

Gostei do filme porque cada cena e segmento vai abordando um tema interessante e que também a nós nos vai ensinar algo, seja a morte, o suicídio, a eutanásia, o perdão, a superação, o cancro, as relações familiares. São temas que irão tocar o espectador e que fizeram com que eu gostasse muito do filme. No entanto este não é de todo um dos melhores filmes do género, tendo eu também percebido alguns erros em termos de argumento e realização.

No entanto e apesar de tudo, recomendo este filme para os amantes do género.


Image Map

2 comentários

  1. Também sou fã deste género de filmes. Dramáticos e com lições de vida. Mas este ainda não o conhecia! Tenho curiosidade em ver. Fica registado para um fim de semana destes ;D

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Também são dos meus favoritos.. Este confesso que não é o meu favorito do género mas no fundo eu até gostei.. Espero que também gostes..
      Beijinhos*

      Eliminar