PRIVATE | O MEU NATAL

Desde que me conheço por gente que existem apenas duas alturas do ano que adoro, são elas os meus anos e o Natal. Gosto muito dos meus anos e de todo o processo de envelhecer mais um ano. Mas também adoro o Natal. A aura em volta desta época do ano. As músicas, os filmes, as luzes, as decorações. E principalmente o espírito. Começo-me a preparar para o Natal logo no início de Dezembro e adoro quando sinto que já toda a minha cidade fica iluminada e, sinto que esse é o primeiro passo para eu entrar na aura do natal. Depois começo a pensar nas prendas de Natal, nas decorações da árvore e da casa. Na ceia de natal, os doces, o prato principal. Depois há que pensar na roupita que vou usar na noite e estou preparada para a grande noite do ano. Desde pequena que é sempre assim. Esta é a minha época do ano. Quando era mais nova toda esta altura era vivida igualmente de forma entusiasta quando esperava pela chegada do pai natal. A minha mãe conta-me que sempre acreditei nele e que um ano ela me mandou ao hall de entrada, onde ela tinha colocado as prendas, e que eu corri pela casa a gritar a plenos pulmões que ele tinha vindo. Ele o Pai Natal. Não deve haver melhor coisa no mundo do que a alegria de uma criança quando percebe que o pai natal existe, nem que seja apenas por uns breves instantes. 

A minha quadra natalícia já passou por muitas fases e, antes até de eu nascer a minha família passou umas outras quantas. Já passámos o natal todos juntos, onde primos, tios e avós se reuniam todos para passar uma noite a assistir ao Bravo Bravíssimo. Nessa altura a minha avó vestia-se de Pai Natal e trazia as prendas para todos nós. Depois a vida levou-nos à dispersão e fomos preferindo o nosso núcleo mais chegado com as nossas próprias tradições, como os puzzles que vamos montado nestas épocas. Acho que é isso que também vai tornando o natal especial, o nosso crescimento e as nossas mudanças de tradições. Claro que natais cheios de pessoas são natais mais barulhentos e onde se sente de outra forma por mais pessoas o estarem a celebrar em conjunto. Mas acredito também que o natal é cada vez mais para mim a tradição da família, daqueles que mais amamos e com os quais nos sentimos bem e que isso muitas vezes não significa propriamente termos um laço de sangue com eles. 

O meu natal é a minha altura do ano como gosto de lhe chamar e é assim, pequenino, aconchegante, sem grandes festas ou cerimónias. É um natal simples mas acima de tudo é um natal feliz, cheio de boas memórias e acima de tudo junto de quem eu mais amo.

E como é o vosso natal?

Sem comentários :

Enviar um comentário