CINEMA | The Fault in Our Stars

Quando um livro que é meu favorito é adaptado ao cinema fico muito ansiosa. Primeiro porque se trata de um favorito. Depois porque adoro cinema. Por último porque fico com imensa curiosidade para saber o que fizeram com um dos meus livros favoritos. Sim, porque nisto das adaptações sou um pouco picuinhas. Mas com o The Fault in Our Stars nada me desiludiu e eu adorei simplesmente o filme.
No início do ano tinhas assistido ao filme Stuck in Love do mesmo realizador e tinha adorado a forma como o filme tinha sido realizado. Logo fiquei com imensa curiosidade para ver como tinha ficado o The Fault in Our Stars. Acabei por ir  assistir ao filme com a minha mãe e no final saímos as duas do cinema com a lágrima ao canto do olho e a sensação de que tínhamos passado um bom tempo no cinema.
Gostei de tudo neste filme. A realização, a fotografia, o casting, o roteiro, a edição, a banda sonora. Tudo foi pensado ao pormenor e tudo acabou por resultar muito bem no filme. Tornando-o um filme que agrada a pessoas dos 8 aos 80, por ser leve e divertido de assistir, tocando em aspectos fortes de uma forma intensa e poderosa, mas ao mesmo tempo bonita e delicada. O filme, tal como o livro tem momentos de muita emoção de nos fazer chegar as lágrimas aos olhos e momentos de pura gargalhada. E, acho que é isso que o faz chegar a tanta gente.

O filme não podendo ser uma cópia do livro esteve para mim à altura do mesmo, não existindo mudanças com as quais ficasse muito chateada. A favor disso acho que contribuiu muito a presença assídua do autor do livro na preparação e rodagem do filme. Tornando-o assim bem fiel ao sentimento retratado no livro. Enquanto via o filme tive a sensação de que estava a ver o espelho de tudo aquilo que tinha imaginado e sentido ao ler o livro e daí talvez venha o meu maior gosto pelo filme.

Para quem ainda não leu o livro, coisa que recomendo que façam, recomendo também que vejam o filme e que se deliciem com ele. É um filme que retrata o cancro em jovens, de uma forma leve e divertida, demonstrando que os doentes não têm de ser nenhuns coitadinhos, e que podem perfeitamente continuar a viver a sua vida, a seguir os seus sonhos, a apaixonar-se, a cometer as suas loucuras, a viver intensamente. E que um dia todos nós vamos ser lembrados pela forma como conseguimos tocar as pessoas.

Adorei simplesmente este filme. Por ser tão bonito, mas também por ser uma adaptação tão boa de um dos meus livros favoritos. É daqueles filmes que eu sei que vou querer rever vezes e vezes sem conta e que nunca me vou cansar dele.



Nome: “The Fault in Our Stars” Género: Drama, Romance Classificação IMDB: 8,1/10




2 comentários

  1. A coisa que mais odeio é quando fazem asneiras nas adaptações cinematográficas dos meus livros preferidos. Definitivamente este não é o caso. Também adorei o filme, acho que os atores escolhidos foram prefeitos para os papeis. A Hazel e o Gus do filme conseguiram partir-me o coração no filme, apesar de já saber tudo o que ia acontecer. Acho que não há melhor prova que o filme foi mesmo bom :)

    ResponderEliminar
  2. Também odeio quando um filme que é uma adaptação não fica bom.. e este definitivamente ficou muito bom.. :P
    Beijinhos*

    ResponderEliminar