BOOK | The Book Thief


Bem, esta opinião já devia ter saído há algum tempo. Mas mais vale tarde que nunca. Esta leitura foi feita em conjunto com as Catarinas dos blogs: Sonhar de Olhos Abertos, Little House of Books e Páginas Encadernadas.

Foi uma leitura muito engraçada e muito melhor apreciada por ter sido feita em conjunto. Semanalmente íamos fazendo um debate que nos ia alertando para pormenores e pontos de vista da leitura que nos tinham passado ao lado e eu gostei muito disso.

Este livro conta a história da Liesel Meminger. Ela é uma menina que devido a ter os pais comunistas vê-se a ter de mudar de casa e de família numa tentativa de assegurar o seu futuro. No caminho o seu irmão acaba por falecer e a morte, a narradora do livro, acaba por a conhecer. É também com a morte do seu irmão que a Liesel vai roubar o seu primeiro livro. A nova família da Liesel é composta pelo Hans Hubermann e pela Rosa Hubermann. O Hans é um homem que apesar de parecer rígido é bastante carinhoso e atencioso, dando muita atenção à sua filha e ensinado-a a ler, que é um dos sonhos da Liesel. Já Rosa é uma mulher muito rigida e que apesar de ter um bom fundo raramente o demonstra.

Este livro retrata a vida dos alemães durante a Segunda Guerra Mundial. Não foram apenas as pessoas que foram para os campos de concentração, que foram arrasados por esta guerra. Havia alemães que não concordavam com toda esta fase da história. E esta foi uma das coisas que mais gostei neste livro, ler sobre a outra parte da história.

Esta opinião é muito difícil de dar e nem sei se no fundo este texto vai ser uma opinião. Isto porque, eu gostei muito deste livro. Ficou mesmo um favorito. E dos livros que eu gosto muito eu nunca consigo dar bem a minha opinião.

Para começar gostei muito da escrita do autor, que apesar de ter tido alguns capítulos mais enfadonhos, tem um ritmo de escrita muito bom, sempre com alguma coisa a acontecer, e que nos deixa sempre com vontade de ler mais e mais. Outra coisa que muito contribuiu para o ritmo do livro foi o narrador. A morte. Eu gostei muito deste narrador, que tem uma visão da guerra e das mortes e das pessoas diferente da que estava à espera e que me surpreendeu muito, por mostrar um lado mais sentimental. O que não gostei neste narrador, foi o facto de ele ir dando spoilers sobre a história o que por vezes cortava o clima do enredo. No entanto é um personagem que nunca esquecerei.

Outra personagem que não vou esquecer é o Hans. Tem uma força extraordinária e uma visão das coisas também. Nunca baixou os braços. Acolheu um judeu, mesmo podendo ser apanhado. E a relação com a Liesel é a coisa mais ternurenta.

E claro o Max e o Rudy. São tantas as personagens e os momentos que me marcaram na leitura deste livro, que o post iria ficar muito longo. Aconselho mesmo a que leiam para poderem comprovar todos os sentimentos que este livro nos transmite.

 O final é assim meio que muito triste. No entanto quando terminei o livro fiquei com uma sensação de paz e tranquilidade comigo e com o próprio final do livro que pode parecer estranho e contraditório. Mas não consigo explicar de outra forma o sentimento com que terminei este livro. E acho que a experiência de leitura não é igual para todas as pessoas.

Para saberem mais sobre a minha opinião vejam o vídeo que fiz.


8 comentários

  1. Concordo com tudo o que disseste!
    Vou ver o vídeo amanhã ^^

    ResponderEliminar
  2. Também adorei a leitura em conjunto e foi a primeira que fiz uma, tal como tu :P

    Um excelente livro *-*

    Beijinhos

    ResponderEliminar
  3. Concordo com tudo que disseste, principalmente aquilo que gostei menos na Morte foi o dar spoilers:P
    Qual a próxima leitura conjunta??:)
    Beijos

    ResponderEliminar
  4. Mesmo.. a parte dos spoilers foi mesmo o pior..
    temos de ver qual vai ser a próxima..
    Beijinhos*

    ResponderEliminar