BOOK | Orgulho e Preconceito

A minha relação com este livro ao início foi um pouco conturbada. Decidi ler este livro como o clássico para Setembro. Como tinha o livro em inglês decidi dar-lhe uma oportunidade. Sabia que o livro tinha necessariamente um nível de inglês difícil, até pela época em que foi escrito, tem uma linguagem mais antiga. Comecei a ler, e a princípio apesar de não entender todas as palavras, conseguia entender o contexto e a história no geral. Mas, em Setembro não consegui continuar com a história.

Em Outubro, lembrei-me de uma coisa. Para continuar a ler o livro em inglês e aumentar o meu nível de inglês, fui pesquisar na Internet um e-book do livro em português e fazer uma leitura conjunta. E devo dizer que foi uma experiência muito boa e que me permitiu fazer uma leitura muito agradável.


Em Orgulho e Preconceito temos a história da família Bennet. Ela é composta pelo Sr. e pela Sra. Bennet e pelas suas cinco filhas, Jane, Elizabeth, Mary, Kitty e Lydia. Naquela altura, Inglaterra do Século XVIII, a fortuna da família era herdada pelo filhos homem. Ora a família Bennet não tem filhos homens, logo a fortuna era herdada por um parente distante, o que deixa a Sra. Bennet preocupada com o futuro das suas cinco filhas, stressando-a ao ponto de andar sempre a procurar um bom partido, capaz de lhes proporcionar uma boa subsistência e nível de vida, para as suas filhas.

Quando o Sr. Bingley chega à cidade e arrenda a propriedade de Netherfield, a Sra. Bennet fica logo em pulgas para o conhecer e até obriga a que o Sr. Bennet, o vá visitar, tudo com o objectivo de o juntar com alguma das suas filhas. E é num baile da cidade que tudo vai começar. Quando o Sr. Bingley chega ao baile vai acompanhado da sua irmã e de um amigo o Sr. Darcy. Logo quando chegam existe uma ligação entre o Sr. Bingley e Jane, e entre o Sr. Darcy e Elizabeth uma espécie de ódio, e alguma curiosidade.


Devo dizer que o início do livro não me estava a cativar tanto como pensava que iria. Simplesmente acho que o início acaba por ser mais uma crítica à época do que propriamente a focalização no romance. A crítica aos casamentos, aos níveis societários, a educação que as mulheres tinham na altura. Tudo isto a par do crescente conhecimento entre Elizabeth e o Sr. Darcy. Ao longo da primeira parte do livro vão acontecendo diversas situações que fazem com que eles se vão encontrando e com que entrem em confronto de ideias e opiniões, tornando aquela relação inicial de ódio cada vez maior.

Mas, a partir do meio do livro, algo maravilhoso acontece. Ambos se apercebem que para além do ódio algo mais os une. Sem saberem como expressar ou partilhar esse sentimento, vão passar por encontros e desencontros até chegarem ao fim juntos e felizes. Digo isto, mesmo sendo um spoiler, porque o livro é bastante antigo e muitas pessoas já leram ou já viram um filme ou uma série. Mas o mais importante do livro não é o romance em si, mas mais uma crítica à sociedade.

A sociedade inglesa retratada neste livro, é uma sociedade bastante aberta, que não tem vergonha em expressar os seus sentimentos, nem em ir aos bailes e até participar da vida pública activa, mas ao mesmo tempo fechada em estereótipos de níveis sociais, de riquezas e até de opiniões e personalidades. Muitos desses estereótipos estão plasmados na relação da Elizabeth e do Sr. Darcy. O título do livro, é bem elucidativo da relação deles. O orgulho de não admitir o que sentiam, e o preconceito de saberem que amam aquela pessoa, mas ao mesmo tempo não quererem amar aquela pessoa por saberem quem ela é.

Foi um livro que eu amei. Passou já a ser um dos meus favoritos de sempre, e não é pela história em si, já muitas vezes contada e recontada em muitos livros, mas sim pela escrita da Jane Austen, que consegue nos transmitir na perfeição todas as falhas da sociedade da época, ao mesmo tempo que as espelha num romance que nos apaixona, numa escrita fluída que nos faz querer ler mais e mais.

Para além de todas estas histórias principais, existem também diversas histórias paralelas, com as quais também nos vamos identificando.

Devo ressalvar que a personagem que eu mais gostei foi a de Elizabeth, porque era uma rapariga de armas, que ia à luta daquilo que queria, que dizia aquilo que pensava sem medo, e isso inspirou-me e fez-me gostar ainda mais desta personagem.


Em suma, este é um livro que me apaixonou, que me fez tomar partidos, que me fez apaixonar por personagens. É uma história que ficou no meu coração.

Esta foi uma opinião difícil de dar, porque, este foi um livro que me tocou muito, e quando assim é, é muito difícil transpor em palavras todos os sentimentos que vivemos ao ler este livro. É um livro que recomendo muito.

Para saberem mais sobre a minha opinião deste livro é só assistirem ao vídeo.



10 comentários :

  1. Já o li 4 vezes *.* adoro os diálogos cítricos no ínicio, as críticas à sociedade, a noção que nem todos são o que aparentam, enfim TUDO

    ResponderEliminar
  2. Oh, tenho tanto que ler este livro! :D
    Acho a edição muito bonita! *-*
    As fotos ficaram bem giras e o vídeo e a resenha muito interessantes! ;)

    ResponderEliminar
  3. Já vi o filme e alguns tele séries várias vezes mas por acaso nunca li o livro. Já passei para a minha lista de to-read :) Obrigada por deixares a tua opinião

    ResponderEliminar
  4. Mesmo.. O livro é quase perfeito.. :D
    Beijinhos*

    ResponderEliminar
  5. Tens de ler.. :D
    A edição é muito linda mesmo.. :P
    Obrigado..
    beijinhos*

    ResponderEliminar
  6. Tens de ler.. o livro é muito bom.. :D
    De nada.. obrigado..
    Beijinhos*

    ResponderEliminar
  7. Fico feliz por teres gostado e adorei a sessão fotográfica do livro:D Beijos

    ResponderEliminar
  8. Gostei muito.. A sessão fotográfica com um livro tão lindo foi muito boa.. :D
    beijinhos*

    ResponderEliminar