BOOK | Em Parte Incerta


“Em Parte Incerta” conta a história da Amy e do Nick. No dia do quinto aniversário de casamento Amy, inesplicavelmente desaparece. Este é o mote da história. E não vos posso dizer mais nada. Apenas que o livro é contado do ponto de vista quer do Nick quer da Amy.

Comprei este livro, porque ouvia muito falar dele, um pouco por todo o lado, e até porque ele foi considerado o livro do ano em 2012, e por isso sempre pensei que ele só poderia ser considerado o livro do ano se relamente fosse bom. Depois li algumas opiniões em blogs e li a sinopse, e fiquei intrigada, pois à partida trata-se de um thriller. E eu adoro este género.

Quando comecei a ler, percebei que não ia amar os personagens, nem a história que a autora criou. Para mim os personagens eram doidos da cabeça e foram doidos da cabeça do inicio ao fim. Faziam coisas inesplicáveis, diziam coisas inesplicáveis. Num capitulo sofriamos por um, a seguir só os queriamos matar. Para mim, todo o livro foi um conflito interno para poder gostar, nem que fosse uma pontinha, dos personagens. E cheguei à última palavra e continuei a não gostar deles. Mas, este foi um dos aspectos que também me prendeu ao livro. Nem sempre um livro tem de nos agradar por nós amarmos os personagens, podemos simplesmente odiar os personagens, e foi isso que aconteceu. Não consegui gostar dos personagens, mas gostei que isso tivesse acontecido, pois fazia com que eu lesse e tivesse mais vontade de saber como iria acabar afinal aquilo tudo.


Foi isso que me levou a devorar o livro, o saber como a autora terminaria a história. Eu não achei surpresa nenhuma em nada do que aconteceu ao longo da história. Não sei se é por ver muitos filmes ou séries, ou ler muitos livros, mas as coisas começam a ser muito previsisveis para mim, e muitas das coisas que iam acontecendo ao longo do livro eu já às tinha previsto páginas antes. Coisa que me foi surpeendendo, pois a maioria das opiniões que eu lia falavam imenso nas reviravoltas do livro. Para mim as maiores reviravoltas era quando de um lado tinhamos a opinião de um, e do outro lado a do outro, e se uma vez eu estava a amar um, da outra estava a odiar o outro. Mas mesmo assim a autora conseguiu com que eu tivesse vontade de ler o livro.

Apesar da minha vontade em descobrir o final do livro, quando cheguei ao fim decepcionei-me, não gostei do fim, é das coisas que eu estou sempre a dizer, não gosto de pessoas que se resignam.. Mas o livro ganha pelo enredo psicológico.

Uma grande critíca a fazer primeiro, é à autora do livro, que ao longo dele foi usando certo tipo de linguagem menos própria. Sim, eu sei que é um livro adulto, virado para um público adulto, mas fico sempre com a sensação de que o que vende agora em livros é certo tipo de linguagem, parece que agora já não se tem um cuidado em escrever certas coisas. E não, não acredito que a maioria dos adultos utilize aquele tipo de vocabulário. A segunda critíca é à tradução portuguesa, pois, incluiu diversas traduções que não são portuguêsas, o que leva a pensar que não foi uma tradução pensada, para além que falharam muito nas notas de rodapé, ao não conter nenhuma, e terceiro ao não pesquisarem conceitos, pois logo ao início falam em alugar uma casa e dez linhas à frente falam em arrendar. Acho que no que toca a traduções as coisas devem ser levadas mais a sério.

Ainda outro comentário, não tanto em forma de crítica, mas sim de uma aspecto que eu não gostei. Foi o índice. Eu como amante da leitura, antes de iniciar a leitura vou ler tudo o que não seja o livro propriamente dito, os agradecimentos, a parte da frente, a parte de trás, logo li o índice. O índice revela logo a parte final da história. Não achei piada, mas é uma mania minha.

Não amei o livro, mas também não o detestei, e daí as minhas 3 estrelas, e recomendo vivamente a quem gosta de jogos psicológicos.

Nome: “Em Parte Incerta"  Autor: Gillian Flynn ISBN: 9789722525572

Páginas: - Editora: Bertrand Editora


2 comentários :

  1. Bem, tenho este livro para ler e acho que vou lê-lo para o próximo mês. Já vi que há quem ame e quem, como tu, não ache nada de especial:) Beijos

    ResponderEliminar
  2. Sim, acho que é o que faz os livros venderem mais é agradarem muito a uns e pouco a outros.. Depois quero ver o que achaste.. Beijinhos*

    ResponderEliminar